Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Paraquedismo alcança cada vez mais adeptos radicais em Manaus

Aos apreciadores de adrenalina, a pedida perfeita são os saltos fascinantes realizados na segunda maior escola do País, da modalidade, a Skydive do Amazonas, que funciona no Aeroclube, Zona Norte

O Aeroclube de Manaus tem a segunda maior área de saltos do Brasil

O Aeroclube de Manaus tem a segunda maior área de saltos do Brasil (Divulgação/Skydive Amazonas )

O paraquedismo no Amazonas tem crescido a cada dia mais. Em números, por final de semana, por exemplo, são mais de 130 saltos. Mais de 200 pessoas já realizaram o curso de paraquedismo em Manaus. Na capital amazonense fica a segunda maior escola do País, a Skydive do Amazonas, que funciona no Aeroclube, Zona Norte de Manaus.

O CRAQUE resolveu voar e foi conferir de perto toda a emoção vivida em um salto e saber como é a sensação de saltar de mais de 6 mil pés de altitude, o que equivale a mais de 1,5 mil metros de altura. O instrutor Arídio Amaranto, que carrega em seu currículo mais de 1.070 saltos, destaca que por estar localizado na segunda maior área de saltos do País, o clube tem recebido inúmeros adeptos todos os anos para praticar o esporte.

“O esporte tem crescido bastante a cada ano. Por ser uma área segura, para se ter uma ideia ainda não tivemos nenhum caso de acidente aqui, ou seja, nossos saltos são totalmente seguros. Além disso, todas as instruções são repassadas antes do salto. Algo em torno de cinco minutos e a pessoa já fica pronta para saltar e poder se aventurar, além de descobrir porque os pássaros cantam.

A adrenalina é tão grande que tem gente que salta e na mesmo hora já quer começar o curso”, ressaltou o instrutor.

Quem foi conferir de perto toda essa adrenalina no último domingo (20) foi o colombiano Augusto Opina, de 34 anos. De passagem pela cidade, ele escolheu o clube para realizar o sonho de se aventurar e saltar pela primeira vez. “É uma experiência única e que eu sempre quis. Aproveitei muito. É muita adrenalina, ficamos com medo, mas é algo que queria muito. Vim para a cidade para acompanhar as partidas da Copa do Mundo e aproveitei para escolher aqui também para realizar um sonho. Até porque na Colômbia é mais difícil, lá tem outros esportes radicais, que são diferentes, e o paraquedismo não tem tanta evidência assim”, disse o comerciante que depois do salto volta para seu país de origem.

‘EX-PÉ PRETO’

Após saltar pela primeira vez e por cobrança dos amigos, Vicente Batista, 21, que veio do município de Tefé (a 525 quilômetros de Manaus) apenas para realizar o curso de paraquedismo, conta que os custos valem a pena, mas que o esforço é recompensado com a tamanha aventura. “Meus amigos são paraquedistas e existia uma pressão deles para que eu fizesse o curso. Me chamavam de ‘pé preto’, (denominação para aqueles que não são paraquedistas) foi então que resolvi vim fazer o curso aqui em Manaus. Moro em Tefé e ficarei vindo para Manaus uma vez por mês apenas para fazer esse curso. O custo sai caro, mas no final das contas vale muito a pena, pois é um esporte muito maneiro”, exaltou Vicente.

Esporte que virou febre

Com 67 saltos no currículo, Maurício Gomes, 24, que saltou pela primeira vez aos 18 anos de idade, há quatro anos iniciou o curso e desde então não deixou mais o clube. Mas ele confessa que até hoje ainda sente medo. “O esporte cresceu muito e virou uma febre. Hoje em dia temos muitas pessoas formadas aqui na cidade e inclusive já temos pessoas dando aula e eu acredito que o esporte só vai continuar crescendo mais e mais”, disse ele, que emendou recordando seu primeiro salto.

“A primeira vez não deu tanto medo, pois não sabia o que me esperava e não fazia noção de nada, nem de altura. Nada, nada. No meu segundo salto foi quando deu medo, mas depois vai comecei o curso e foi diminuindo o medo, mas digo sempre ainda tenho aquele medo, até porque se acabar o esporte acaba perdendo a graça”, brincou ele.

Fique sabendo

Para o salto duplo, um dos mais procurados no clube, o custo fica entre R$ 500 e R$ 700, com imagens e vídeos feitos pelo orientador e um outro paraquedista, mas antes de levantar voo, todas as orientações são repassadas por instrutores já formados e com um currículo de mais de 500 saltos. Após todo o procedimento em terra, um avião leva os amantes de aventura a mais de 6 mil pés, onde em seguida se tem cerca de 45 segundos em queda livre e mais cinco minutos curtindo a sensacional vista manauara até realizar o pouso em terra na pista do clube.

CONFIRA VÍDEO DO SALTO