Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

‘É um privilégio jogar contra o Brasil’, diz técnico da Croácia, adversário do Brasil na Copa

Em entrevista exclusiva, CRAQUE falou com o técnico da Croácia, Niko Kovac, que pega o Brasil no dia 12 de junho, em São Paulo. Seleção também joga na Arena da Amazônia no dia 18 contra a equipe de Camarões

"Temperatura não deve ser um problema para nós", afirmou técnico ao ser questionado sobre calor da capital

"Temperatura não deve ser um problema para nós", afirmou técnico ao ser questionado sobre calor da capital (Divulgação)

Sempre um adversário difícil para o Brasil, a Croácia abre a Copa do Mundo de 2014 contra nossa Seleção no dia 12 de junho, no Itaquerão, em São Paulo. Menos de uma semana depois, vem a Manaus para enfrentar a equipe de Camarões, no dia 18, na Arena da Amazônia Vivaldo Lima.

Em entrevista exclusiva ao CRAQUE por e-mail, o comandante do elenco croata neste Mundial, Niko Kovac, falou sobre o desafio de fazer o jogo inaugural da Copa contra o dono da casa e um dos favoritos da competição.

“É um grande privilégio abrir a Copa do Mundo contra a cinco vezes campeã mundial Seleção Brasileira. Fizemos dois jogos (em Copas) até agora contra o Brasil que mostram que ambas as equipes podem ser adversários muito difíceis uma para a outra”, declarou o treinador.

Além disso, o técnico croata comentou a dificuldade de jogar na umidade da região amazônica, a evolução do futebol de seu país e estreita relação deste com o futebol, assim como o possível favoritismo das equipes sul-americanas no torneio.

Kovac aposta na união do time como principal arma contra os adversários, além do indiscutível talento de nomes como Luka Modric e Darijo Srna: “Ganhamos um ‘beijo de Deus’”, diz ele, em referência ao talento individual de alguns de seus melhores jogadores.

Confira abaixo trechos da entrevista concedida por e-mail com o técnico da seleção herdeira da tradição futebolística da antiga Iugoslávia, que enfrentou o Brasil nas Copas de 1998 (em que conquistaram o terceiro lugar na competição) e 2006, sempre com vitória apertada do Brasil.

A Croácia sempre foi um adversário difícil para o Brasil. E desta vez tem a responsabilidade de abrir a Copa do Mundo contra a Seleção Brasileira. Qual é a sua expectativa para o jogo do Mundial?

É um grande privilégio abrir a Copa do Mundo contra a cinco vezes campeã mundial Seleção Brasileira. Fizemos dois jogos até agora contra o Brasil que mostra que ambas as equipes são de classe alta e podem ser adversários muito difíceis um para a outra. Isso é o que eu espero na abertura - um jogo difícil, árduo. O Brasil é um grande favorito, não só contra nós, mas eles também vão jogar com uma grande pressão, incomum mesmo para os seus jogadores que jogam nos maiores clubes.

A Europa Oriental tem uma temperatura bem abaixo da temperatura média no Brasil. E você ainda vai jogar em Manaus, uma das cidades-sede mais quentes da Copa do Mundo. Como é o treinamento da equipe croata e que está sendo preparado para o calor, especialmente em Manaus?

Devemos diferenciar temperatura e umidade. A temperatura não deve ser um problema para nós, pois somos um país muito quente também, mas a alta umidade, especialmente em Manaus, será um desafio para nós. No contexto do nosso grupo, podemos estar na situação mais difícil, considerando as condições climáticas, mas vamos nos preparar adequadamente, usando métodos especiais para tornar Manaus um palco de jogo mais fácil para os jogadores.

A Croácia como país independente é muito recente. Por isso, acabou surpreendendo muita gente com a campanha para a Copa do Mundo de 1998, na França, quando terminou em terceiro lugar. Como você avalia o desenvolvimento do futebol croata? Como é a equipe hoje e quais são as chances de sua seleção na Copa do Mundo no Brasil?

A geração de 1998 certamente será lembrada como uma das maiores equipes que a Croácia já teve e quem sabe se nós vamos alcançar esse tipo de resultado novamente...? No entanto, mesmo depois desta geração, a Croácia tem se classificado normalmente para grandes competições, o que mostra que temos jogadores talentosos e um bom sistema em vigor. Nós sempre teremos bons jovens jogadores, então eu não tenho medo do futuro. Equipe atual tem boa qualidade e está em uma posição para alcançar bons resultados, não só na Copa do Mundo, mas para os futuros torneios também.

Quais são as principais armas de sua seleção para fazer uma boa campanha na Copa?

Nossa união. Jogamos com um orgulho especial para a nossa nação.

Quanto às outras seleções: você vê algum favoritismo? Brasil, Alemanha, Argentina? Quem é melhor?

Todas as equipes que você mencionou estão entre os favoritos. Mas eu gostaria de salientar que nenhum time europeu já ganhou uma Copa do Mundo em um solo americano - então eu diria que as equipes da América do Sul têm uma certa vantagem em relação aos europeus.

A Croácia herdou a cultura do futebol da Iugoslávia, que costumava ter uma grande equipe. Qual é a contribuição da cultura na Croácia?

Eu só posso falar sobre a Croácia. Acho que tivemos um “beijo de Deus”, já que Ele nos deu um talento específico para esportes de equipe e esportes com bolas. Por isso, alcançamos resultados muito bons no futebol, basquetebol, handebol, pólo aquático, etc.

No Brasil, todo menino sonha em ser um jogador de futebol. Qual a relação cultural que a Croácia possui com esse esporte?

É a mesma coisa no nosso país. O futebol é o esporte número um e todos os garotos sonham em se tornar um jogador de futebol profissional. Não temos quase tantas pessoas quanto o Brasil, mas estamos fazendo o nosso melhor com os números que temos e alcançando bons resultados.