Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Caprichoso encerra a segunda noite do Festival de Parintins celebrando sua 'Aldeia Xamânica'

O bumbá precisou correr para não sair da arena atrasado e evitar a perda de pontos, encerrando com 2 horas, 29 minutos e 31 segundos, apenas 29 segundos antes do limite.

Caprichoso fecha segunda noite emocionando a galera em Parintins

Caprichoso fecha segunda noite emocionando a galera em Parintins (Antonio Lima)

Com o sub-tema "Aldeia Xamânica", o boi Caprichoso encerrou a segunda noite de apresentações do 49º Festival Folclórico de Parintins na madrugada deste domingo (29). O Levantador de Toadas David Assayag (item 2) emocionou a nação azul e branca (item 19) ao cantar a toada "Sensibilidade", de Adriano Aguiar, enquanto tocou violão. A galera demonstrou seu amor ao "Touro Negro" cantando, a capela, toadas como "Da Cor do Meu País", que serviram como combustível para a apresentação do bumbá.

O início da noite foi marcado por uma encenação entre a pajé cabocla Zeneida Lima, originária do Pará, e o pajé do Caprichoso, Waldir Santana (item 12), que recebeu de suas mãos o poder da cura e resgatou uma cabocla, fazendo uma viagem ao mundo dos espíritos. Na Dança Turé, as tribos indígenas concorreram ao item número 20, (coreografia) e empolgaram os torcedores ao formar uma maloca humana.

A Figura Típica Regional (item 15) trouxe o seringueiro da Amazônia, relembrando a Belle Époque e o ciclo da borracha no Amazonas, com uma alegoria que representava o Teatro Amazonas. Do alto do teatro, surgiu a Sinhazinha da Fazenda, Karyne Medeiros (item 7), recebida por um verso do Amo do Boi Junior Paulain (item 6).

O "Cordel Caboclo" do Auto do Boi Caprichoso foi comandado pelo dono da fazenda, Amo do Boi, que narrou a ressurreição do touro, com a participação de Pai Francisco, Mãe Catirina, Gazumbá, Pajé e Sinhazinha. O Boi apareceu no alto da alegoria que emoldurou o cenário folclórico do Caprichoso. Em um novo verso, o Amo Junior Paulain provocou o boi contrário e levantou a galera.

Emoção

David Assayag voltou a interpretar a toada "Sensibilidade", desta vez para concorrer ao item número 11, Toada, Letra e Música, rodeado pelo Coral de Libras do Boi Caprichoso, formado por crianças do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro (LAOCS), da unidade de Parintins.

A toada “Vaqueiros da Floresta” foi a trilha sonora da evolução da Vaqueirada (item 18), seguida pelos Tuxauas (item 14), que ganharam a arena e evoluíram com a toada “Paixão de Uma Nação”, uma das mais cantadas pela galera. Um módulo representando o Panteão Xinguano trouxe a Porta-Estandarte Rayssa Tupinambá (item 5), que exibiu o pavilhão azul dançando com a toada “Sentimento Caprichoso”

A aparição da Rainha do Folclore, Brena Dianná (item 8) empolgou a galera azul e branca, que vibrou com cada movimento da realeza do folclore azul. Do meio da galera, surgiu o Boi Caprichoso (item 10), levando os torcedores ao delírio, com a toada Turbilhão Azul.

Batalha

A Lenda Amazônica "Wayana-Apalai" (item 17), apresentou a fera Karamané, alegoria de Juarez Lima (item 16), em um duelo com um povo amaldiçoado por Tupã. Da fera Karamanaé, veio a Cunhã-Poranga Maria Azêdo (item 9), que novamente tocou tambor na arena do Bumbódromo e dançou com a toada “Guerreira da Mística Aldeia”.

A toada “Tocaia”, de Adriano Aguiar, Walter Pinto, Felipe Sicsú e Lindolfo Moreira reservou uma surpresa das tribos, interagindo com a galera e Marujada de Guerra, sob o comando dos mestres Vitor Hugo Morais e Jonedson Ramos, o Baleinha, que “atacaram o inimigo” (galera contrária). O Amo do Boi Junior Paulain inovou ao misturar um de seus versos à toada O Ritmo é de Boi, de Adriano Aguiar, incendiando a galera.

Na finalização da segunda noite, o Caprichoso levou para a arena o ritual da nação Yanomami, que trouxe mais uma aparição do Pajé Waldir Santana, representando o último dos pajés. O bumbá precisou correr para não sair da arena atrasado e evitar a perda de pontos, encerrando com 2 horas, 29 minutos e 31 segundos, apenas 29 segundos antes do limite.

Na última noite, quando o Caprichoso abre as apresentações, a temática do azul e branco será “Terra Brasilis”.

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS