Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Bumbá Caprichoso trata sobre mitologias e ritos indígenas na primeira noite do 49º Festival

Na primeira noite do Festival, o boi-bumbá Caprichoso tratou sobre o imaginário e a memória sagrada dos povos nativos da Amazônia, o Táwapayêra. Cunhã-Poranga, Pajé, Sinhazinha da Fazenda e Rainha do Folclore levantaram os torcedores

Boi Caprichoso entra na arena com a Sinhazinha e emociona os brincantes

Boi Caprichoso entra na arena com a Sinhazinha e emociona os brincantes (Euzivaldo Queiroz)

Caprichoso acabou de deixar a arena do Bumbódromo após uma apresentação contagiante. Com o tema "Amazônia Táwapayêra", o boi azul abriu a noite do 49º Festival Folclórico de Parintins aflorando o lado sentimental da torcida com itens consagrados, como a ex Cunhã-Poranga Daniela Assayag, que saudou a plateia e anunciou a entrada de Arlindo Junior, o Apresentador deste ano (item 01). O levantador de Toadas (item 02) David Assayag entrou em seguida, acompanhado da Marujada (item 03), que também impressionou ao simular com suas vestes, repletas de estrelas e luzes de LED, um belo céu estrelado.

Ao som da toada "Sehaypóri", entrou a primeira alegoria do bumbá, que retratou a lenda da serpente gigante de nome homônimo. Durante a evolução da alegoria, surgiu a Rainha do Folclore (item 8), Brena Dianná, pendurada no colar de um índio gigante a cinco metros de altura. Vestida com penas amarelas e laranjadas, a bela encantou a galera com sua simpatia ao som de "O ritmo é de boi".

Foi a vez então das Tribos Indígenas (item 13) invadirem a arena para apresentar a coreografia (item 20), com vestes que lembravam animais da floresta. A encenação serviu de pano de fundo para a entrada do Pajé (item 12), Waldir Santana, que, com uma intimidante roupa com falcões e um cajado que soltava faíscas, deu um tom mais sério e sombrio a apresentação.

Os Tuxauas (item 14) também chamaram bastante atenção, enchendo a arena com suas fantasias de mais de 60 quilos, preparando o terreno para a entrada da segunda alegoria, que representava a Figura Típica Regional (item 15).

Da oca principal do item, surgiu a Cunhã-Poranga (item 09), Maria Azêdo, envolvida com penas azuis. Após a apresentação da beldade, foi a vez da terceira alegoria entrar em cena, com a Porta-Estandarte (item 05), Rayssa Tupinambá, brotando de uma flor, rodeada por mais de dez beija-flores gigantes. Durante sua apresentação, o cabo de segurança rompeu e a bela não conseguiu evoluir, pois precisou ser retirada ainda na alegoria. A Porta-Estandarte retornou à arena apenas minutos depois, já em solo, para finalizar sua apresentação.

A quarta alegoria da noite representou a exaltação folclórica com a “Morada dos Encantados”. Do topo da árvore da vida, no centro da alegoria, surgiu o boi Caprichoso (item 10), após 1h25 de apresentação. Depois da evolução da “Morada dos Encantados” surgiu a Sinhazinha da Fazenda (item 07), Karyne Medeiros, ao som da música “Boi Brasileiro” e da mistura de “Estrela Angelical” com o sucesso “Rostinho de Anjo”.

A apresentação foi encerrada pontualmente às 23h, após a apresentação do Ritual Indígena (item 04) e de mais uma performance do Pajé.

Galera confiante

A Galera (item 19) do Caprichoso, como sempre, se mostrou de forma contagiante para animar a abertura da primeira noite do 49º Festival Folclórico de Parintins. Incansáveis, os torcedores cantaram junto com levantador de toadas, David Assayag, e interagiram com o apresentador, Arlindo Jr, e o Amo do Boi, Júnior Paulain, sem deixar o cansaço tomar de conta.

Pela primeira vez no festival dos Bumbás, o torcedor do Espírito Santo,  Jamilson Nascimento, 24, contou que ficou emocionado com o que viu na arena. Ele contou que já acompanha o festival pela televisão e sempre sonhou em vir à Parintins para participar desse momento. “Eu sempre tive vontade de vir aqui e esse ano deu tudo certo. Eu estou arrepiado o que estou vendo, está muito lindo”, avaliou  ele. “Essa festa é diferente e não tem Carnaval do Rio de Janeiro para se comparar com essa manifestação cultural”, avalia.

Já Sílvia Souza, que é de Manaus e todos os anos está na Ilha Tupinabarana, disse que é a força da galera que leva o Bumbá para frente. “Essa galera dá força, anima, agita. Achei tudo muito bonito e tenho certeza da vitória do Caprichoso”, afirmou ela.

Quem também se disse satisfeito com a apresentação do Touro Negro nessa primeira noite foi o torcedor Jean Baranda. Este ano, ele preferiu assistir apresentação do Caprichoso da arquibancada e parabenizou a participação da galera. “A empolgação da Galera surpreende e quando o Boi entrou na Arena, a interação melhorou ainda mais. Eu nunca vi algo semelhante a isso e não tem emoção que possa ser comparada”, disse ele após afirmar que acredita na vitória do Boi Azul. 

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS

VEJA COMO FOI A COBERTURA EM TEMPO REAL