Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Celebrando a fé brasileira, Garantido quebra acordo e faz apresentação completa no encerramento do Festival

O boi-bumbá encarnado foi prejudicado pela forte chuva apenas em uma alegoria - que apareceu incompleta -, mas isso não foi suficiente para ofuscar a festa que tomou conta do Bumbodromo de Parintins (AM) na terceira e última noite do Festival Folclórico do município amazonense

Garantido encerra 49º Festival de Parintins

Garantido encerra 49º Festival de Parintins (Marcio Silva)

Celebrando a brasilidade, o boi Garantido encerrou o Festival Folclórico de Parintins destacando a diversidade cultural, seus sentimentos e patriotismo. Mesmo não contanto pontos, o Boi da Baixa do São José fechou com chave de ouro a apresentação.

Encerrando sua participação à frente do item Sinhazinha da Fazenda, Ana Luisa Faria levou a galera ao delírio com sua última evolução no Boi Vermelho.  A "inigualável galera", por sua vez, vibrou do início ao fim. O boi Garantido, como aconteceu nas noites anteriores, interagiu com o público na arquibancada.



Representando Naiá, Flor das Águas, a Rainha do Folclore, Patrícia de Góes, surgiu da lenda amazônica Vitória Régia e encantou a todos os presentes com seu gingado e beleza.

Defendendo o item Figura Típica Regional, os vaqueiros chamaram a galera para brincar de boi, num momento de festa e do diversão. Ao termino da toada, a cunhã poranga Tatiane Barros desce do alto num coração de palha, também despedindo-se do boi garantido à frente do item.

A tribo indígena celebrou a fé com o pajé André Nascimento dando a "deixa" em língua indígena para a toada tema: Celebração da Fé contagiando os milhares de amantes do Boi Encarnado na arquibancada.

No ritual indígena Couro dos Espíritos, último momento da noite, também foi o ápice da apresentação  com diversas figuras dos espíritos das águas, espírito-homem e espíritos andarilhos. Coube ao pajé André Nascimento expulsar os espíritos através do transe musical dos purabs, dos cantos, das danças, das preces e do fumo Pabariká, exaltando a força e o poder que emana dos deuses, encerrando o festival folclórico com um verso do Amo do Boi, Tony Medeiros.

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS