Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Sem moral, Copa do Mundo será tema pouco usado pelos bumbás durante 49º Festival de Parintins

Boi-bumbás Garantido e Caprichoso não farão nenhuma forte alusão ao campeonato mundial de futebol em suas apresentações na arena do Bumbódromo. Mesmo assim, evento terá alguma visibilidade

Brasilidade Na última noite será apresentada uma alegoria com alusão ao futebol

Brasilidade Na última noite será apresentada uma alegoria com alusão ao futebol (Antônio Lima)

O ano de 2014 tem sido muito especial para qualquer brasileiro, afinal o País recebe o maior evento futebolístico do planeta. Portanto, alguns torcedores do Garantido e Caprichoso se questionaram se haveria algo em alusão à Copa do Mundo em suas apresentações. A resposta é não, mas, de acordo com ambas as agremiações folclóricas, os bois apresentarão elementos que vão remeter ao sentimento de patriotismo. 

O Boi da Baixa de São José, por exemplo, terá na última noite de apresentação, marcada para o dia 29 deste mês, uma alegoria que se chama “Brasilidade”.  “Nela, nós fazemos referências a todos os grandes momentos folclóricos e culturais do Brasil. Dentro dessa homenagem aos folguedos brasileiros, temos uma referência ao futebol, mas como uma grande festa, que agora é o Mundial.

Nessa alegoria haverá um jogador de futebol, rodeado com várias bolas, inclusive as bolas foram pintadas com as cores da bola oficial da Copa do Mundo. Nela terão outras esculturas, como de capoeiristas e sambistas, que também representam essa cultura popular de forma geral”, adiantou Chico Cardoso, coordenador de teatralização e coreografia da Comissão de Artes do Garantido.

Durante a escolha do tema de 2014, um burburinho de que a  temática deste ano seria “Brasilidade”, assim como a toada  homônima de Demétrios Haidos e Geandro Pantoja, surgiu entre os torcedores do Garantido em  Parintins. Contudo, segundo  Cardoso, tudo não passou de  especulação.

“Se cogitou isso, porém, em momento algum a Comissão de Artes pensou nisso como tema. Isso surgiu por parte dos torcedores e até dos compositores, mas não por nós. Vamos fazer a alusão ao futebol como uma bandeira de cultura nacional”, garantiu.

Na terceira noite de apresentações, o boi do coração trabalhará com a temática “Brasil de Muita Fé”. Por este motivo serão  abordados todos os segmentos culturais e religiosos que fazem parte do Brasil. “Por ter essa diversidade, você vai de encontro com a diversidade cultural, pois é da raiz de cultura que se vem o religioso. Será uma noite em que se falará muito das origens”.

Olhar distante

Já o Boi Caprichoso optou por não fazer referências diretas ao futebol ou à Copa do Mundo. Neste ano, o bumbá defende o tema “Tápawayêra” (ou “Aldeia Mística”, em tupi), no qual abordará a Amazônia pelo seu viés do misticismo, cheia de mistérios e segredos. De acordo com o membro do Conselho de Artes, Gil Gonçalves, o boi azul dividiu a sua apresentação em três eixos, um para cada noite.


“Em primeiro lugar, vamos abordar a questão mitológica, a cosmologia dos povos indígenas, os fenômenos naturais e figuras lendárias, como as Yacamiabas e Ajuricaba. Em seguida, o foco será o xamanismo, o poder de cura dos pajés e pessoas que se tornaram referência nesse assunto. No terceiro dia, vamos apresentar o sincretismo na Amazônia e as manifestações culturais que de alguma forma têm ligação com a religiosidade”, explica.

Segundo Gonçalves, é nesse momento que o Caprichoso pretende destacar a diversidade cultural da região amazônica e do Brasil – independentemente de Copa do Mundo, como faz questão de frisar, contrariando as apostas de quem acompanhou os ensaios no Bumbódromo. “A brasilidade vai estar muito presente nessa noite, mas nada estritamente ligado ao Mundial”, garante. Ele ainda acrescenta que a toada “Boi Brasileiro”, de Geovane Bastos e Adriano Aguiar, representa bem esse subtema.

“A Copa pode nos acompanhar, assim como nós a ela, mas a relação é um pouco distante. Mesmo porque não estou botando muita fé nessa Seleção Brasileira, a não ser que ela me convença daqui para frente. Então prefiro não atrelar o Caprichoso ao futebol, melhor ficar olhando de longe”, conclui Gonçalves, aos risos. 

Se o time de Felipão mantiver o desempenho da última partida contra Camarões, quando fez 4 x 1, Gil tem tudo para sanar sua desilusão com os jogadores canarinhos.