Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Dando os primeiros passos: o som da paixão infantil pelos bumbás de Parintins

Batucada Mirim e Marujadinha dão oportunidades musicais para os pequenos apaixonados pelos bois de Parintins

 Na Batucada Mirim, do Garantido, e Marujadinha, do Boi Caprichoso

Na Batucada Mirim, do Garantido, e Marujadinha, do Boi Caprichoso (Euzivaldo Queiroz)

Desde muito cedo, os pequenos do Garantido e Caprichoso se dedicam ao aprendizado de instrumentos musicais que dão o ritmo cadenciado característico do boi-bumbá. Ambas as agremiações contam com projetos voltados à música.

A Batucada Mirim do Garantido, por exemplo, é o primeiro passo para as crianças da nação vermelha e branca realizarem o sonho de se tornarem batuqueiros. Ao todo, 60 crianças, entre 7e 14 anos de idade, participam desta iniciação. Os ensaios ocorrem três vezes na semana, começando no mês de abril.

“Na Batucada Mirim as crianças ensaiam o sonho de serem batuqueiros da banda Oficial do Garantido. A partir dos 16 anos, eles já podem integrar a Batucada Oficial”, explicou Ana Monteverde, neta de Lindolfo Monteverde (criador do bumbá Garantido), coordenadora.

À frente dos pequenos está o peara Lucas Gadú, de 16 anos, que, assim como muitos de seus alunos, iniciou seus primeiros passos dentro do boi da Baixa de São José fazendo parte desta “pequena” família. Ainda neste ano, ele, que faz parte da Batucada Oficial, recebeu o convite da diretoria para ser o novo peara.

“Primeiramente tem que aprender o ritmo do boi. Depois, nós ensaiamos as toadas antigas e posteriormente as novas. A gente ensaia às terças-feiras, quintas-feiras e sábados, quando acontecem nossas apresentações. Geralmente as músicas passadas coma Batuca da Mirim são as de galera, que não contam com muita dificuldade musical. Depois,no decorrer do tempo, são apresentadas as mais dificultosas, como as de Ritual e Lendas”,explicou o Gadú.

Os instrumentos musicais que dão o pulsar do coração do Garantido são surdo e caixinha, considerados os tradicionais, além da palminha, repique e rocar, chamados pelos pearas de “temperos”.

“Hoje estamos tentando colocar também o xequerê”, adiantou Gadú. A novidade é um instrumento de origem africana, produzido por meio de uma cabaça revestida com uma rede de miçangas.

PRIORIDADES

No boi da estrela, os torcedores mirins da galera azul e branca podem integrar a Marujadinha. Dos 80 participantes, boa parte são alunos da Escola de Artes Irmão Miguel de Pasquale.

“Damos prioridade para os alunos da escola, mas também há crianças da comunidade. Muitos pais pedem para que os filhos possam participar do projeto, para que não fiquem nas ruas de Parintins. Os pais agradecem muito”, disse Carlos Alberto, conhecido como Catedral, coordenador da Marujadinha.

Os alunos têm de 7 a 17 anos de idade. No entanto, ao contrário do Garantido, os destaques desta família podem passar para a Marujada Oficial conforme o domínio do instrumento – surdo, caixinha, palminha, repique e rocar.

“Antigamente, nós procurávamos pessoas da comunidade para participar da Marujada Oficial. Hoje, coma ascensão da escola, suprimos essa necessidade. Não precisamos ir à comunidade procurá-los. Há crianças de 12 anos que já tocam na Marujada Oficial. Se destacando, ela pode fazer parte”, garante Catedral, que já foi coordenador de quase todos os segmentos do Caprichoso.

Os ensaios iniciam no mês de maio e se estendem até julho, retornando novamente em novembro e indo até dezembro. Nesses meses acontecem os principais eventos da Marujadinha. Os ensaios ocorrem três vezes na semana.