Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Duelo de gerações: Pai e filho amazonenses separados pelo amor aos bumbás de Parintins

Ronaldo Barbosa e o filho Júnior se enfrentam na arena onde suas toadas serão utilizadas durante os rituais dos Bumbás Caprichoso e Garantido, nas três noites

Inspirado pelo pai compositor, Ronaldo Barbosa Júnior também desponta como promessa

Inspirado pelo pai compositor, Ronaldo Barbosa Júnior também desponta como promessa (Evandro Seixas)

Ligados pelo amor de pai e filho, mas separados pelos bois Garantido e Caprichoso por meio da toada. Assim, o compositor do Boi Azul, o odontólogo Ronaldo Barbosa, e seu filho, também compositor, mas do Boi Encarnado, Ronaldo Barbosa Júnior, 25, duelarão na arena do Bumbódromo de Parintins no 49º Festival Folclórico. O pai conta com três toadas para engrandecer as noites do Caprichoso, enquanto o filho quatro composições, incluindo uma noite recheada de emoções.

Conhecedor nato da cultura amazônica e há 30 anos no Boi Caprichoso, com toadas clássicas como “Saga de um canoeiro”, “Vale do Javari”, “Candelabros Azuis”, “Canto da Iara”, “Pesadelo dos Navegantes”, dentre outras, Ronaldo, o pai, compôs três toadas para o Caprichoso neste ano: “Aldeia Mística”, “Maracás do rio Negro” e “Naiades”. Abrindo o festival azulado, a toada “Aldeia Mística” concorre ao item nº 11 (Toada, Letra e Música). A canção retrata uma visão do mundo amazônico, quando todos os mistérios irão ser revelados em forma de poesia.

A toada “Maracás do Rio Negro”, disparada uma das favoritas no site do Caprichoso, mostra um casamento intertribal que se realiza no altar das samambaias (que é na realidade a Amazônica), onde uma índia do alto rio Negro casa-se com um índio do baixo rio Negro no ritual onde os maracás (instrumentos sagrados) anunciam a cerimônia.

A toada Naiades mostra o mergulho nas sete lendas femininas da Amazônia (Naiara, Boiúna, Dinahi entre outros). Ronaldo Barbosa trabalhou na Funai, morou em Parintins por 25 anos, conheceu diversas culturas, trabalhou com os índios Mura e presenciou várias celebrações religiosas indígenas. “Acredito que essa convivência, esse estar junto, deu para observar a cultura popular”, enfatizou Barbosa.

HERANÇA

Inspirado pelo pai compositor, Ronaldo Barbosa Júnior também desponta como promessa, mas no Boi Garantido com as toadas compostas em parceira com Rafael Marupiara: “Fera de Fogo”, “Couro dos Espíritos”, “O Vaqueiro” e “O Canto”. A chegada do artista ao Boi Encarnado  foi por acaso, quando ele compôs uma toada mística em 2009, mostrou para o presidente do Garantido, Telo Pinto, e só entrou no CD no ano seguinte.

“Fiz tudo escondido. Quando o meu pai descobriu a toada (“Festa de Bandeira”) estava no CD, 2010”,  lembrou Ronaldo Júnior. Para este ano, segundo Ronaldo, a expectativa estará voltada para o quesito musical e execução, devido a participação intensa  das tribos nas toadas.

Previsto para compor uma das três noites de Festival, “O Canto” é um projeto que complementa o “Tambor”, que estava na disputa do ano passado. “O canto aborda a parte da natureza dos sons. O ser humano precisa entender o som da natureza para entender o próprio som, o som do nascimento, da inspiração, do Criador”, destacou o compositor ao acrescentar que para compor a toada, foi feito um estudo aprofundado.

A toada “Vaqueiro”, de acordo com Ronaldo, será a grande surpresa do Festival, que surgiu por meio de uma brincadeira, onde ele tinha a vontade de trazer de volta a figura típica sendo abordada por uma música mais alegre. “Antigamente era melancólica e triste retratando o caboclo”, completou. A toada “Couro dos Espíritos” causou polêmica ano passado porque a música demo estava na seleção das toadas, mas não foi aprovada, gerando uma guerra pela Internet porque a demo vazou e os internautas queriam que ela estivesse no CD de 2013. Neste ano, numa nova seleção, ela eliminou artistas renomados no ramo. 

Composta há dois anos, a toada “Fera de Fogo” é incrementada com a inovação musical, numa mistura de solo de guitarra, metal e violino, onde retratará a lenda Amazônica em uma das noites, assim como o “Couro dos Espíritos”.

“Parti do principio de tentar fazer algo pelo festival, de deixar uma ideia para que o boi se revigore. Vou fazer músicas como eram na década de 90, música voltada para o povo. Hoje a música é voltada para agradar o jurado, mas eu faço para agradar a galera”, finalizou Ronaldo Júnior ao revelar que compõe suas canções a começar pela melodia, depois busca uma história que tenha ligação, uma ideia de tribos, movimentos e ritual.

OBJETIVO É A NOTA DEZ

O levantador de toadas Sebastião Júnior tem muitos motivos para fazer do Festival Folclórico um dos melhores de sua carreira até o momento. Tudo porque, além de agitar a galera como cantor, ele também é compositor de duas toadas do Garantido neste ano: “Celebração da Fé” e “Inigualável”.

A toada tema do Boi Vermelho, “Celebração da Fé”, surgiu de uma “inspiração de momento”. “Eu agradeço a Deus pelo dom de poder compor. Vamos mostrar aos jurados como os índios celebram a Amazônia. O Garantido é o boi da promessa”, enfatizou Sebastião Júnior.

Composta em homenagem ao amigo e apresentador Israel Paulain, a toada “Inigualável” tem o objetivo de deixar a galera animada, pois chamará o público a bater na palma da mão e a pular.