Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Torcedores dos bois Caprichoso e Garantido formam filas para assistir 49º Festival de Parintins

De várias cidades do Amazonas, e alguns de Parintins, os “fãs” buscam um bom assento nas arquibancadas do Bumbódromo, onde os bumbás disputam. Sob sol e chuva, eles arrumam estratégias para se alimentar e utilizar banheiros

  • Torcedores do Garantido encaram longa fila nos arredores do Bumbódromo, em Parintins (AM), desde as primeiras horas desta sexta-feira (27), primeiro dia do 49° Festival Folclórico
    FOTO: Euzivaldo Queiroz
  • Torcedores do Caprichoso encaram longa fila nos arredores do Bumbódromo, em Parintins (AM), desde as primeiras horas desta sexta-feira (27), primeiro dia do 49° Festival Folclórico
    FOTO: Euzivaldo Queiroz

Uma multidão de torcedores dos bumbás Caprichoso e Garantido já tomou as ruas ao redor do Bumbódromo de Parintins, na manhã desta sexta-feira (27), em longas filas, para assistir a primeira noite de espetáculo folclórico, que inicia às 20h, na ilha Tupinambarana, a 369 quilômetros de Manaus. Eles vieram de várias cidades do Amazonas para a festa, e alguns deles moram em Parintins.

“Sou Garantido de paixão”, explicou Anderson Monteiro, 22, que está desde as 23h de quinta-feira (26) na fila para conseguir um bom lugar na arquibancada do Garantido. Ele e mais três amigos estavam sentados em pedaços de papelão e sob uma lona de plástico que os protegiam do calor e do sol. “Foi o pessoal da Mancha Vermelha que arrumou essa lona”, disse. Mas nem todos têm esse privilégio.

Um grupo de dez pessoas – entre eles Caio Tiago, 24, e Romário Mendes, 21, foi o primeiro a chegar à fila do Caprichoso, às 5h desta sexta (27), sendo vários deles de Manaus e outros de Parintins. “Nós nos conhecemos aqui mesmo. Trouxemos protetor solar, chapéu e essa bandeira para nos proteger”, disse um Romário. “A gente vai comprar comida aqui na frente depois. O problema é não ter banheiro químico e ter que pagar pra usar aquele ali”, reclamou.

Ao redor do Bumbódromo, além de restaurantes com comidas, moradores cobram valores entre R$ 1 ou R$ 2 para que torcedores usem banheiros das residências. Tem sorte quem conhece parentes na cidade. “Depois vamos à casa de uma tia minha, lá no João Novo, depois da Cidade Garantido, para tomar banho, trocar de roupa e comer. Foi lá que tomamos café da manhã, e para elas duas trouxemos essa comida. Vale a pena, porque pegamos um ótimo lugar”, disse Anderson.

“É um amor inexplicável pelo Caprichoso, é emocionante”, disse Enolly Beltrão, 17, explicando o porquê chegou às 6h na fila do lado azul. Diferente dela, um colega que tem residência em Parintins, chegou às 11h. “Eu sou gaiato. Cheguei agora e vou ficar na fila”, disse Adriel Duque, 20, brincando. Todos eles ficarão com a mesma roupa até a abertura dos portões, às 15h, e depois do fim da apresentação do Caprichoso, 22h30. Na mesma noite, eles vão tomar banho e retornar à fila ainda antes da meia noite, para conseguir um bom lugar na segunda noite de festival.

Ocorrência policial

Um dos torcedores do Garantido teve que ser retirado da fila pela Polícia Militar porque jogou um objeto contra uma torcedora do Caprichoso que passava pelo local. “Alguns tacaram garrafas e os retiramos da fila, por uma questão de ordem. Uma garrafa dessas pode lesionar alguém, e agora ele teve que ir para o final da fila. Se voltar a fazer isso, retiramos de novo. E se lesionar alguém, o levaremos à delegacia”, disse o capitão Harlley, da operação Parintins.

Comerciantes

A parintinense Lucimara Pontes, 28, aproveitou a movimentação de pessoas para lucrar e vender pastéis a R$ 3 e “din-din” a R$ 0,50. Ela espera lucrar R$ 200 até o final do dia. “Esse ano, como estamos sem trabalho, aproveitamos para ganhar um dinheiro a mais. Estamos vendendo pela primeira vez por conta própria. Ano passado estávamos vendendo com outro grupo. Dependendo da demanda de hoje, amanhã traremos mais comida”.


A venezuelana Marisol Romero, 38, veio com a filha para o Brasil vender chapéus durante a Copa do Mundo, em Manaus, e tenta lucrar também em Parintins. “Viemos de barco e trouxemos 100 chapéus, vendidos a R$ 20 cada. Um homem disse que as pessoas aqui são ‘mão de vaca’, e realmente vendi apenas três. No próximo ano não iremos voltar”, reclamou. Ela está acompanhada do artista colombiano Alvaro Sarmento, que está fantasiado de mulher e assusta os torcedores.

Banheiros químicos

No início da tarde, uma forte chuva caiu na cidade de Parintins, atingindo quem esperava na fila. Nesse momento, funcionários da Prefeitura Municipal começaram a instalar unidades de banheiros químicos ao redor do Bumbódromo, para que os torcedores pudessem fazer necessidades básicas. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, a demora na instalação das unidades de banheiros ocorreu por um problema no transporte dos boxes.

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS