Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Adail é mantido no cargo de prefeito por vereadores de Coari

Em sessão nesta sexta-feira (16), 13 dos 15 vereadores da cidade compareceram. Dos 13, seis votaram a favor da cassação, enquanto sete votaram contra

Desde o dia 8 de fevereiro, Adail Pinheiro cumpre prisão preventiva no Batalhão da Cavalaria da Polícia Militar

Desde o dia 8 de fevereiro, Adail Pinheiro cumpre prisão preventiva no Batalhão da Cavalaria da Polícia Militar (Evandro Seixas)

A Câmara Municipal de Coari (a 363 quilômetros de Manaus) manteve o mandato do prefeito afastado do município, Adail Pinheiro, em sessão na noite desta sexta-feira (16).

Dos 15 vereadores da cidade, 13 compareceram a sessão. Destes, seis votaram pela cassação de Adail: Adnamar Guimarães, presidente da Comissão Especial, Mario Jorge, Merelo, Dêca, Branco e Clodair Melo.

Os sete restantes, que votaram pela manutenção do mandato do prefeito afastado, foram Robério Queiroz, Dra. Cleiciane, Bat, Passarão, Keitton Pinheiro, Prof. Natinho e Salu Junior. Iran Medeiros e Jerbson Alves foram os dois vereadores que não compareceram a sessão.

O caso Adail

Adail Pinheiro e cinco servidores foram presos nos dias 7 e 8 de fevereiro após investigações do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) apontarem o envolvimento deles em uma rede de exploração sexual de menores em benefício do prefeito de Coari.

No último dia 14 de março, eles foram afastados dos cargos que ocupavam na administração municipal de Coari. A decisão foi determinada em caráter cautelar. Adail responde a mais de 50 processos na Justiça, com acusações que variam de exploração sexual de crianças e adolescentes até corrupção e uso indevido da máquina pública.

Processo no TSE

Adail ainda pode perder o mandato devido ao Recurso especial eleitoral (Respe) nº 15.105, que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde outubro de 2012. Nele, o Ministério Público Eleitoral e a Coligação ‘Coari Tem Jeito’ questionam a concessão do registro de sua candidatura por parte do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para as eleições de 2012. Para eles, Adail não deveria nem ser elegível nas últimas eleições devido a prévias condenações no Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) e no Tribunal de Contas da União (TCU). O processo se encontra no gabinete do ministro Gilmar Mendes desde 14 de março deste ano.