Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Adolescente é morta com facada no pescoço em quitinete na Zona Oeste de Manaus

O crime ocorreu na antiga avenida São Pedro, na Compensa. Além da faca no pescoço, o corpo foi encontrado com várias perfurações. A polícia já procura dois amigos da vítima suspeitos de cometerem o assassinato

A jovem morava com uma amiga em uma quitinete no segundo andar de uma vila de casas

A jovem morava com uma amiga em uma quitinete no segundo andar de uma vila de casas. Conhecidos e amigos acompanharam o trabalho da perícia (Evandro Seixas)

A adolescente Emily da Silva Monteiro, 16, foi encontrada morta com uma faca cravada no pescoço e com varias perfurações pelo corpo na noite desta sexta-feira (22), dentro de um quitinete onde morava, localizado na avenida Oscar Morel (antiga rua São Pedro), bairro Compensa, na Zona Oeste da capital. A polícia já procura dois homens - amigos da vítima - suspeitos de cometer o crime.

Emily não morava com familiares. Ela dividia a quitinete com uma amiga que não quis se identificar nem repassar informações à reportagem. A vítima foi encontrada estirada no chão do quarto e, pelas características do corpo, provavelmente foi morta pela manhã, entre 10h e 12h, conforme peritos da Polícia Civil. “Sabemos que foi um homem”, disse um conhecido de Emily, que também não quis se identificar.

Em todo o momento que a reportagem esteve presente no local, poucos vizinhos aceitaram falar. “Se eu fosse você, não insistia”, alertou um rapaz à equipe do Portal A Crítica. Conforme policiais do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e da Delegacia Especializada em Homicídios (DEHS), a polícia já está à procura de dois homens suspeitos do assassinato.

“Sabemos o motivo, mas não podemos dar mais detalhes para não atrapalhar (as investigações)”, disse um policial que preferiu não revelar sua identidade.

“Eram amigos dela”, alertou um morador, confirmando que os dois homens suspeitos tinham livre acesso à residência da moça. “Ela morava aí há uns dois meses. Era um ‘entra e sai’ de gente... Era muito movimentado”, declarou uma moradora da área.

Até as 21h desta sexta, os investigadores da DEHS estavam trabalhando dentro do local do crime. Uma equipe do Instituto Médico Legal (IML) esperava para recolher o corpo.