Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Sem camelôs, Centro de Manaus ganha novo visual

Retirada de bancas que ficavam nas ruas Henrique Martins, Joaquim Sarmento e Lobo D’Almada recuperou espaço público

Na rua Henrique Martins, a retirada das bancas dos camelôs ‘abriu’ espaço para os pedestres e destacou as fachadas

Na rua Henrique Martins, a retirada das bancas dos camelôs ‘abriu’ espaço para os pedestres e destacou as fachadas (Antonio Lima)

Quem andou pelas ruas Henrique Martins, Joaquim Sarmento e Lobo D’Almada, no Centro, Zona Sul, na sexta-feira, surpreendeu-se com um cenário diferenciado encontrado nas vias, totalmente liberadas dos camelôs. A retirada das barracas, que ainda divide opiniões de consumidores, agrada a outros e, especialmente, aos lojistas, que perderam a concorrência considerada desleal.

Os defensores da permanência dos camelôs falam da facilidade de encontrar produtos nas barracas, enquanto outros, como o cantor Zezinho Corrêa, celebrou o que definiu de redescoberta de uma nova cidade escondida por décadas. “Agora dá para olhar os prédios, as lojas e passar na rua sem preocupação de bater nas coisas”, afirmou o cantor.

A realocação beneficiou 173 trabalhadores do comércio informal das ruas do entorno da Galeria Espírito Santo, instalada na Joaquim Sarmento. De acordo com a Prefeitura de Manaus, a medida contemplou os trabalhadores que mantinham bancas na Henrique Martins, extensão da Getúlio Vargas, até a rua Instalação. A retirada faz parte do projeto de requalificação do centro da cidade, prometida pelo prefeito Artur Neto. Com estes, já são 832 camelôs que “devolvem” as calçadas para a população de Manaus, informa a Prefeitura.

Para o aposentado Antônio Martins, 61, no entanto, essa situação só deve durar enquanto a Prefeitura estiver pagando os camelôs para ficarem nas galerias. “Eles não terão lucro lá, por isso não vão conseguir permanecer”, afirmou ele. As irmãs Mirtes e Keyla Tabosa acreditam que haverá uma queda nas vendas dentro das galerias, porque nas ruas o acesso às bancas era facilitado, por isso não veem como uma iniciativa de sucesso.

A dona de casa Dilanei Henrique Carvalho foi outra que reclamou da saída das barracas. “Era mais fácil a gente encontrar as coisas, longe assim ninguém vai comprar nada deles”, disse.

Positivo

Já para o lojista Welton Pinheiro, a saída dos camelôs representou visibilidade e aumento nas vendas. “Agora as pessoas olham nossa loja e entram para comprar”, afirmou ele, que constantemente via roubos cometidos por assaltantes que se escondiam entre as barracas para atacar as pessoas. “Era uma zona de risco”, explicou, dizendo que agora dá para ficar mais tranquilo.

O cantor Zezinho Corrêa passou pela Henrique Martins na última sexta-feira e aplaudiu o fato de poder andar livremente e apreciar a beleza de alguns prédios cuja arquitetura, originária do início do século passado, estava à mostra. “É uma outra cidade, não tem como não gostar de ver Manaus recuperando seu visual”, assegurou.

Melhoria das fachadas é proposta

Ao lembrar que a rua Henrique Martins era grafada sem o “H” e, num tempo em que as ruas do Centro tinham nomes bonitos, ela já foi denominada de rua da Lua, a jornalista e historiadora Etelvina Garcia foi outra a comemorar a liberação da via com a saída dos ambulantes. Para ela, é fundamental que os ambulantes possam ganhar a vida nessas galerias e possam deixar a via liberada para a população.

A Saldanha Marinho era rua da Palma, a Costa Azevedo, Feliz Lembrança e a Visconde de Mauá, rua do Sol, lembrou ela, feliz com a iniciativa da retirada dos camelôs. Etelvina propõe que a prefeitura crie condições para a irreversibilidade dessa situação e crie áreas de convivência no Centro de Manaus. E que as fachadas possam ser restauradas ou pelo menos pintadas, assim como as calçadas reconstruídas. “Se pudéssemos dar condições para que as famílias possam voltar a morar na nossa avenida, seria maravilhoso”, disse a historiadora.

Programação

Mais ruas do Centro, como a Eduardo Ribeiro, serão liberadas do comércio informal. Conforme dados da Prefeitura de Manaus, deverão sair também os trabalhadores das ruas Saldanha Marinho, 24 de Maio e José Clemente, no perímetro da avenida Eduardo Ribeiro até a rua da Instalação/avenida Epaminondas. Já nas ruas Lobo D’Almada e Joaquim Sarmento, vão sair os trabalhadores que hoje atuam entre a avenida 7 de Setembro e a rua José Clemente.