Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Rio Negro: Longa emergência

Especialista afirma que processo de descida das águas neste ano é um dos mais lentos. Rio se mantém na cota de emergência

Engenheiro Valderino Pereira da Silva diz que é preciso observar o comportamento do rio Negro nos próximos meses para ver se vazante lenta deste ano vai influenciar na enchente do próximo ano

Engenheiro Valderino Pereira da Silva diz que é preciso observar o comportamento do rio Negro nos próximos meses para ver se vazante lenta deste ano vai influenciar na enchente do próximo ano (Euzivaldo Queiroz)

O rio Negro está sofrendo um dos processos de descida mais lentos dos últimos anos. A demora para baixar e a manutenção do nível alto das águas por um período prolongado acima da cota de emergência (29 metros) pode influenciar na próxima cheia e fazer com que seja maior e, consequentemente, cause mais estragos em mais de dez bairros, principalmente,  na orla da cidade.

A possibilidade existe, segundo o encarregado do Serviço Hidrológico do Porto de Manaus, Valderino Pereira da Silva, mas é preciso observar o comportamento do rio com as variações de níveis nas próximas semanas para indicar o processo com mais propriedade.

De acordo com Valderino, para que a cheia não influencie na seguinte, o rio Negro precisa de uma vazante que registre a descida de 18 metros no período da cota mínima, entre os meses de outubro e novembro. Ele ressaltou que, apesar da descida lenta, também existe a possibilidade de o rio começar a baixar rapidamente em duas semanas. “Contando com esse mês, temos quase quatro meses para o rio baixar. Isso é tempo suficiente para o rio baixar 11 metros. Mas é preciso esperar o que diz a natureza. A cada ano temos comportamento semelhante, mas com suas particularidades”, explicou.

Exemplo semelhante ao desse ano ocorreu em 2012 quando o rio demorou a descer e teve influência na enchente do ano passado.

Desde o início do mês, o rio Negro está oscilando entre descer um centímetro por dia e ficar parado, quando o normal para o período é descer de 2 a 3 centímetros por dia, conforme dados de anos anteriores.

Valderino destacou que o ritmo de descida aumenta gradativamente a cada dia até chegar ao pico de 25 a 28 centímetros por dia, no mês de setembro.

No dia primeiro deste mês a cota foi de 29,48 metros e ontem foi de 29,44 metros. Na mesma data mesma data no ano passado, o Negro baixou 4 centímetros e a cota estava em 28,57 metros, sendo que a cota máxima foi 29,33 metros, o que releva uma diferença de 76 centímetros.  Comparado a 2012, ano da maior cheia em cem anos quando o rio atingiu 29,97 metros, o nível registrado ontem está apenas três centímetros mais baixo que a mesma data naquele ano. No mesmo dia em 2012, o rio baixou 1,37 metros. Em 2009, ano da segunda maior enchente, o rio baixou na mesma data, 2 centímetros, sendo que a cota estava em 29,49 metros e teve máxima de 29,77 metros.

Em 112 anos de monitoramento do rio, 76% do pico da enchente na capital ocorreu em junho, 19% em julho e apenas 6% em maio. Este ano o rio encheu apenas 10,16 metros. Em contrapartida, 43% tiveram o valor mínimo no mês de outubro, 35% em novembro, 10% nos meses de janeiro e dezembro e 1% nos meses de fevereiro e setembro.

O rio negro passou o mês de junho praticamente estável e chegou a 29,48 metros. Quando o rio Negro entrou no processo de vazante, este mês, ficou parado pouco depois e voltou a subir no dia 2. No terceiro dia deste mês, o Negro atingiu a cota máxima do mês de 29,50 metros, nível mantido por seis dias ate baixar um centímetro. A cota de 29,50 metros ultrapassou em um centímetro a previsão do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que no primeiro de três alertas de cheia, indicou que a máxima seria de 29,49 metros.