Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Patrimônio Histórico: Praça do Congresso em Manaus reabre de 'cara nova'

Chegada do Papai Noel marca a reabertura da antiga Praça do Congresso, no próximo domingo (2). Estando instalada num dos lugares mais nobres de Manaus, na avenida Eduardo Ribeiro com rua Ramos Ferreira, Centro, a revitalização da Praça do Congresso levou mais de oito meses de trabalho

Reforma devolveu traços originais à histórica praça de Manaus

Reforma devolveu traços originais à histórica praça de Manaus (divulgação)

Parte da cidade de Manaus que era iluminada a gás pode ser conhecida ou mesmo relembrada quando o Governo do Estado, via Secretaria de Estado de Cultura (SEC), reinaugurar a Praça Antônio Bittencourt, também chamada Praça do Congresso, domingo (2) a partir de 18h. O evento contará com o resgate de um importante patrimônio histórico e de memória da capital, dentro do programa “Cartão Postal”, associado à programação natalina, com a apresentação da árvore de Natal e a Chegada do Papai Noel.

Durante o trabalho de restauração, a equipe encontrou uma antiga tubulação de gás, dos anos 1800, de quando a cidade era iluminada a gás. Segundo a diretora de patrimônio histórico e cultural da SEC, Regina Lobato, o achado ficará exposto com vidro temperado cobrindo as bocas dos equipamentos, para que a população veja como era feita a iluminação à época. As tampas de ferro fundido que cobriam a tubulação ficarão à mostra. A luz elétrica só chegou a cidade em 1896, oficialmente, na rede pública.

Segundo o secretário da SEC, Robério Braga, a primeira fase está concluída, entrando no roteiro de comemorações de fim de ano. A árvore de Natal instalada no local tem 28 metros por 12 m de largura, sendo composta por vários pinheiros, somando mais de 12 mil unidades. O presépio francês quase em tamanho natural, que antes ficava armado no Largo de São Sebastião, agora estará montado no Congresso, também tendo passado por restauração. O presépio pertence à igreja de São Sebastião, sendo de 1900.

Durante o período natalino, todo dia haverá animação cultural, som ambiente, funcionamento de bancas de tacacá, de revista, cabine telefônica, sebo, e sorveteria na praça, além da circulação de artistas circenses pelo espaço, entretendo os frequentadores, de adultos a crianças.

O investimento para a obra foi de R$ 2,5 milhões, e faz parte do projeto lançado pelo governador Omar Aziz, em dezembro de 2011, o “Cartão Postal”, que prevê a revitalização do Centro histórico de Manaus e das cidades do interior, para receber a população e turistas. O trabalho concluído nesta etapa resgata o antigo traçado original, com toques de modernidade, como na iluminação de monumento, busto e mastro.


Borracha

A Praça do Congresso foi projetada no período áureo da borracha, e documentos datam sua inauguração em 1908, com o nome oficial de Antônio Bittencourt. Bittencourt nasceu em Manaus, foi governador e serviu na Guerra do Paraguai. Foi um dos fundadores do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA) e maçom amazonense.

A importância histórica, memorial e turística do espaço reinaugurado domingo se deve ao fato de ser uma das construções significativas de uma época, tendo no seu entorno uma vizinhança ilustre, o imponente arquitetonicamente Ideal Clube, o Instituto Benjamin Constant, a Avenida Eduardo Ribeiro e o Instituto de Educação do Amazonas (IEA). O palacete de esquina da rua Monsenhor Coutinho serviu de residência e gabinete de trabalho ao Dr. Thomas, importante médico e cientista inglês que atuou em Manaus. No mesmo palacete, anos depois, foi instalada a Biblioteca João Bosco Pantoja Evangelista, pelo prefeito Amazonino Mendes. O lugar já foi chamado de Praça da Saúde e Praça Cinco de Setembro.

Originalmente, a praça, no tempo do Império do Brasil, começou no espaço chamado de Largo do Paiçandu, que desapareceu com o aterro do igarapé do Espírito Santo e a abertura de novos ruas. Manaus estava em acelerado desenvolvimento urbano.

Com a bifurcação da Avenida Eduardo Ribeiro em frente ao Palácio do Governo, surgiu novamente essa ampla esplanada. Chamado de Praça Cinco de Setembro, em homenagem à elevação do Amazonas à categoria de Província, o jardim foi reformado pelo então ex-prefeito Gilberto Mestrinho, com desenho artístico de Areolino de Azevedo.


Acessibilidade no traçado

Dividida em quatro sessões, a área teve recuperadas as vias em pedra de arenito rosa, os famosos jacarés, que cortam o lugar, não tendo mais acesso aos carros, apenas aos pedestres. Com a reforma, a praça ganhou piso tátil para deficientes visuais e acessos com rampas em diversos pontos, incluindo trajetos para as bancas instaladas.

“Restaurar praças ou revitalizar ruas do Centro de Manaus representam mais do que uma simples obra de urbanização, significa o resgate da nossa história. Nossas crianças poderão futuramente estudar a nossa história em uma visitação ao Centro Histórico de Manaus, que muito nos revela sobre o nosso passado”, afirma o governador Omar Aziz.

No passado, a história do uso do logradouro envolve grandes festejos populares, cívicos, políticos e religiosos, inclusive serviu para a posse de Gilberto Mestrinho, como governador, e comício das Diretas Já, movimento pela redemocratização do País.


Monumento ganhou retoques

Durante muitos anos, a praça permaneceu sem monumentos, sendo uma esplanada aberta diante do antigo Palácio do Governo.

O monumento erguido em homenagem à Nossa Senhora da Conceição, em 1942, passou por restauro completo: desde a base em pó de pedra, que foi refeito, até pedaços de mármore da santa foram reconstituídos. O mastro para a bandeira nacional também foi reinstalado no espaço. Além da imagem de Nossa Senhora, a reabilitação da área incluiu a substituição do busto em homenagem ao ex-governador Eduardo Ribeiro.

O busto original em bronze foi edificado durante o governo do ex-prefeito Manoel Ribeiro. Eduardo Ribeiro governou o Estado, era militar, jornalista e foi senador da República. Foi assassinado em Manaus, em 1900, num crime de cunho político, mascarado como suicídio.