Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Projetos podem promover mudanças na vida de adeptos da ‘pedalada’ em Manaus

"Outras formas de conseguir a qualidade de vida são muito bem vindas e isso inclui a bicicleta", diz psicóloga. Fórum de Bicicletas encerra neste domingo (10) após apresentação de casos de pessoas que "ganharam" nova vida com a bike

Zilthai Reis conta que ganhou nova vida ao voltar, 38 anos depois, a pedalar por meio de projeto

Zilthai Reis conta que ganhou nova vida ao voltar, 38 anos depois, a pedalar por meio de projeto (Luiz Vasconcelos)

Conquistar qualidade de vida e fugir das doenças que cada dia estão mais presentes no cotidiano da população, como depressão, ansiedade, síndrome do pânico e outras fobias; é algo que diversas pessoas têm conseguido com o apoio da bicicleta.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão atinge cerca de 350 milhões de pessoas pelo planeta, o que corresponde a 5% da população mundial. Só no Brasil, 10% da população sofre com o problema. A ansiedade é caracterizada por excesso de pensamentos negativos, sensação de aflição, incapacidade de relaxar, tensão e preocupação exagerada. Hoje ela atinge 10 milhões de pessoas.

Para a fiscal da receita federal Zilthai Reis, 55, começar a pedalar significou ganhar liberdade, pois se antes o círculo de amigos era pequeno e o dia a dia se resumia ao trabalho e a cuidar da filha, a partir do ciclismo tudo mudou.

Filha de mecânico de bicicletas da cidade de Marabá, no Pará, Zilthai sempre teve uma forte relação com a bicicleta, porém, essa paixão ficou escondida durante anos.

Segundo a fiscal, quando completou 14 anos, foi necessário mudar para Belém para estudar e as tardes de pedaladas só voltaram a acontecer 38 anos depois, quando um amigo a convidou para participar do grupo Pedala Manaus. Zilthai lembra que a melhor sensação foi sentir novamente o vento no rosto enquanto pedalava.

Hoje adepta da pedalada três vezes por semana, ela afirma que encontrou o que faltava para ser completamente feliz, pois foi a partir do grupo de ciclistas que ela realizou um dos maiores desafios da sua vida: pedalar 800 quilômetros durante 14 dias para cumprir mágico o “Caminho de Santiago”, saindo da França. “Foi a primeira vez que passei tanto tempo longe da minha filha que é muito dependente de mim, mas isso foi bom, pois tive a oportunidade de fazer algo por mim e que me dava prazer”, disse.

Além da oportunidade de fazer amigos, Zilthai percebeu uma melhora na saúde, pois ganhou condicionamento físico e as taxas de colesterol, glicemia baixaram. “Só posso falar coisas boas da bicicleta, pois conquistei saúde e bem estar. Além disso, comecei a perceber detalhes na cidade que antes não via e isso me faz exercitar o espírito de cidadania”, acrescentou Zilthai, após uma pedalada.

Psicóloga estuda os casos

Foi a partir dos relatos de pessoas como Zilthai Reis que a psicóloga Simone Russo decidiu coletar os depoimentos de ciclista que melhoraram a vida com a prática do esporte.

Simone conta que começou a pedalar em 2011 depois de receber o convite do sobrinho e desde que iniciou ouvia os adeptos comentando dos benefícios que a atividade trazia. Foi a partir dessas conversas que a psicóloga apresentou os relatos coletados no 1º Fórum de Bicicletas.

Segundo Simone, muitas pessoas estavam no dia da apresentação e a emoção de expor as mudanças conquistadas foi emocionante.

Ainda segundo a psicóloga, quando se pensa em saúde mental e qualidade de vida, é necessário buscar alternativas, pois não se pode pensar somente na rede de saúde pública. “Outras formas de conseguir a qualidade de vida são muito bem vindas e isso inclui a bicicleta ou outra atividade que ofereça bem estar às pessoas”, disse Simone.

O sucesso foi tão grande que Simone resolveu inscrever o trabalho no 4º Congresso de Saúde Mental que acontece em Manaus de 4 a 7 de setembro, na Universidade Nilton Lins. O objetivo, de acordo com a psicóloga, é mostrar para as pessoas que, com ajuda do ciclismo, diversas pessoas conquistaram felicidade, liberdade e melhoria da saúde física e mental, além de exercer seu papel como cidadão.

3º Fórum de Bicicletas

O grupo Pedala Manaus encerra neste domingo (10) o 3º Fórum de Bicicletas. Durante quatro dias foi discutido o tema ‘A cidade que temos, a cidade que queremos’. Para finalizar o fórum será realizado a partir das 8h uma pedalada saindo do Hotel Go In, no Centro.

As pessoas que pretendem aderir a bicicleta como forma de conquistar a tão sonhada qualidade de vida, o Pedala Manaus realiza, às terças-feiras, passeio noturno na faixa de 10 a 15 km. Os interessados podem obter informação no site pedalamanaus.org.