Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Quatro morrem na estrada

Duas motos se chocaram de frente no quilômetro 37 da rodovia Manoel Urbano, que liga Manaus ao município de Manacapuru

Parentes das vítimas esperavam ontem a liberação dos corpos no IML

Parentes das vítimas esperavam ontem a liberação dos corpos no IML (Márcio James)

Quatro homens morreram em um acidente envolvendo duas motocicletas, no quilômetro 37 da rodovia Manoel Urbano, que liga Manaus ao município de Manacapuru. A tragédia aconteceu por volta da 1h da manhã deste domingo, na área do município de Iranduba, onde as duas motos, que vinham em sentidos opostos na estrada, chocaram-se.

De acordo com o autônomo Rosivaldo Miranda, 30,  o cunhado dele, Carlos José Barros Ramos, 29, pegou sua  moto modelo Twister, sem autorização, e saiu de um sítio onde eles estavam, no quilômetro 28, para ir a uma festa na vila de Ariaú. Na volta da festa, ele trouxe na garupa o estudante Claudemir Castro Julião, 26. Quando retornavam em direção ao município de Iranduba, no quilômetro 37 da rodovia, a moto dirigida por Carlos chocou-se de frente com uma outra, modelo Honda CG- 130, que era guiada pelo caseiro Edson Figueiredo Batista, 24. Ele trazia na garupa o vigia Rusival Ferreira Bastos, 33.

  Três das vítimas morreram instantaneamente e a quarta a caminho de socorro em Manaus. Os corpos  chegaram ao Instituto Médico Legal (IML), em Manaus, por volta das 15h de ontem e, de acordo com o laudo, as mortes foram ocasionadas pelas diversas lesões resultantes do acidente.

 Segundo o aposentado Raimundo Nonato de Oliveira Batista, 65, avô do caseiro Edson Figueiredo Batista, 24, o velocímetro da  moto que seu neto dirigia registrava 60 quilômetros por hora, após o acidente. Já a moto dirigida por Carlos José Ramos, 29, marcava 120 quilômetros por hora. “O outro motorista vinha em alta velocidade, provavelmente  na contramão e meu neto não teve tempo de desviar. É muito triste porque ele era como um filho para mim, ele sabia dirigir bem e inclusive já ia comprar uma moto pra ele”, lamentou.