Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Artur tacha de tímida parceria com a União e cobra recursos para a cidade de Manaus

Prefeito cobrou do Governo Dilma, durante leitura de mensagem na CMM,  liberação de R$ 350 milhões para obras de mobilidade

Prefeito cobrou do Governo Dilma, durante leitura de mensagem na CMM,  liberação de R$ 350 milhões para obras de mobilidade

Prefeito cobrou do Governo Dilma, durante leitura de mensagem na CMM, liberação de R$ 350 milhões para obras de mobilidade (Euzivaldo Queiroz)

Ao abrir os trabalhos da Câmara Municipal de Manaus (CMM), ontem, com a leitura da mensagem do Executivo deste ano, o prefeito Arthur Neto (PSDB) cobrou do Governo Federal compromissos firmados com a gestão dele. Em meio a críticas e elogios, o prefeito cobrou a liberação de um empréstimo de R$ 200 milhões para obras de mobilidade urbana e outro de R$ 150 milhões para as demais obras da prefeitura. Cobrou ainda os recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Cidades Históricas.

O prefeito tucano destacou  a flexibilização do pagamento da dívida previdenciária da prefeitura que teve o prazo estendido pelo Ministério da Previdência – que passou de cinco para 70 anos, com corte de juros – e sobre o apoio do Ministério da Saúde nos investimentos na atenção básica da saúde, quando declarou:

“É verdade, por outro lado, que tem sido muito tímida o restante da parceira com o Governo Federal. Muito tímida. Promessas que se acumulam em cima de promessas. Essas coisas estão dormitando nos escaninhos da burocracia federal”, criticou o prefeito.

Ma fé de Dilma Rousseff

Arthur Neto disse que não quer acreditar em má fé da presidente Dilma Rousseff (PT). “Não tem lógica. Alguém me ajuda na Previdência. Me deixa governar e me prejudica, impedindo que eu asfalte rua”, disse. “Com ela (presidente), ou sem ela, eu vou asfaltar as ruas. A prefeitura é independente. É auto-suficiente e é sim capaz de viver por ela própria”, ressaltou.

A agilidade na liberação dos recursos do Governo Federal foi a principal cobrança do prefeit.o “Eu cobro pressa. Cobro ação gerencial. Eu cobro atitude, mais esforço em relação à nossa cidade”, disse.

Em entrevista coletiva, o prefeito disse esperar “ter boas notícias” da presidente Dilma em relação ao PAC Cidades Históricas. A presidente virá a Manaus na sexta-feira. Na tribuna da CMM, ao cumprimentar os vereadores petistas, Arthur Neto lembrou que, quando era líder da oposição ao governo Lula no Senado, votou com o governo pelo menos em 70% das matérias do Executivo. “Em algumas matérias ele (Lula) ganhou com meu apoio claro”, observou.

Tarifa de ônibus

O aumento da tarifa dos ônibus convencionais, fixada hoje em R$ 2,75, não será reajustada este ano, segundo o prefeito. “Eu não tenho a menor intenção de majorá-la (aumentar) em 2014 e nem vejo necessidade”, disse.

“Em 2014, nós temos a mesma tarifa que se praticava em 2011, a mesma tarifa e a inflação não está baixa. Esta alta e contrasta com um crescimento econômico baixo. O fato é que apesar da inflação nós não reajustamos e não vemos a necessidade técnica de fazer”, disse Arthur Neto.

O prefeito fez um balanço das ações do seu primeiro ano de mandato e lançou metas para próximos anos de gestão.

Em seu discurso na CMM, o prefeito Arthur Neto destacou o equilíbrio financeiro da sua gestão. “Entendo ação de governo como algo que não termina na gestão financeira. Começa na gestão financeira”, disse. “É a partir de um controle fiscal rígido que a pontualidade dos pagamentos da prefeitura”, acrescentou.