Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Caseiro de sítio mata amigo de infância com mais de 70 facadas em Manaus durante bebedeira

A vítima seria vizinha e amiga de infância do suspeito do crime. Os dois consumiam bebida alcoólica há quatro dias em um sítio no bairro Distrito Industrial, quando se desentenderam

Josué disse lembrar de ter dado apenas duas terçacadas em Antônio

Josué disse lembrar de ter dado apenas duas terçacadas em Antônio (Divulgação)

O caseiro Josué dos Santos Monteiro, 52, se apresentou à polícia em Manaus e foi apontado como suspeito de assassinar com 71 golpes de terçado o próprio vizinho e amigo de infância, Antônio Silva de Souza, 51, no último dia 18 de julho, durante uma bebedeira. Ele foi apresentado à imprensa nesta terça-feira (22) e confessou o crime.

O caso aconteceu no ramal do Flamboyant, bairro do Distrito Industrial, na Zona Sul de Manaus. De acordo com Josué, ele e a vítima estavam bebendo há quatro dias e, quando a cachaça que bebiam havia acabado, Antônio tomou álcool puro e Josué se negou a tomar. Devido a negativa, a confusão teria iniciado.

Josué alegou em depoimento que a vítima colocou uma faca no seu pescoço e depois desferiu golpes nas suas costas, e que ainda os dois teriam entrado uma luta corporal. Nesse momento, Josué conseguiu pegar o terçado e desferiu dois golpes na perna de Antônio. Josué falou que não se lembra de golpear a vítima outras 69 vezes.

Segundo policiais da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Josué mentiu, em um primeiro momento, dizendo que três homens armados teriam entrado no sítio e amarrado os dois para roubar galinhas. Ele havia afirmado que essa suposta dupla teria assassinado Antônio, e que só teria visto o corpo do amigo e acionado a polícia quando conseguiu se desprender.

Essa versão foi desmentida pelos policiais, já que uma perícia feita no local do crime constatou que ninguém esteve na cena do crime além de Josué. Ele, na época, havia sido liberado porque tinha ido de maneira espontânea à delegacia e porque não havia indícios que o incriminavam. Josué foi liberado, mas o mandado de prisão preventiva dele já foi solicitado à Justiça.

*Com informações do repórter Florêncio Mesquita