Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Prefeito de Manaus descarta aumento na tarifa de ônibus em 2014: "Só em abril de 2015"

Enquanto empresários afirmam que o aumento da passagem de ônibus é inevitável após firmarem o acordo salarial com os trabalhadores rodoviários, o prefeito diz que o reajuste só será definido só em 2015

Prefeito descartou a hipótese de aumentar a tarifa do ônibus em 2014

Prefeito descartou a hipótese de aumentar a tarifa do ônibus em 2014 (Luiz Vasconcelos)

O Prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), descartou na manhã desta segunda-feira (25),a possibilidade de reajustar a tarifa de transporte coletivo ainda neste ano. “Não mexo em tarifa este ano. Vou começar a discutir este assunto ao longo do mês de abril de 2015, início de maio, conforme foi combinado”, afirmou Arthur, em resposta ao pedido de aumento de tarifa, por parte das empresas de transporte coletivo para R$ 3,60.

As empresas usam como argumento o atendimento às reivindicações trabalhistas, homologadas pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na sexta-feira. O prefeito classificou como demagogia eleitoreira tratar deste assunto neste momento. Mas, de acordo com Arthur, outros componentes também devem ser analisados para corrigir a tarifa, mas no momento apropriado e já acertado com as empresas do setor.

Segundo o prefeito, a partir de abril ele vai trabalhar os cálculos da tarifa, com base nos aumentos de combustíveis ocorridos este ano e os que eventualmente ocorrerem em 2015. “Até lá eu quero também ver os ganhos com os corredores exclusivos que estamos implantando, com o consórcio operacional, com a restauração de vias que estamos fazendo”, disse o prefeito.

Artur disse que o pedido de reajuste "é balão de ensaio. E eu não falo, de jeito nenhum, sobre este assunto, neste momento. Quando chegar o momento certo, falamos”, concluiu.

O assessor jurídico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), Fernando Borges, considera inevitável a concessão do aumento após os benefícios conquistados pelos trabalhadores, que incluem 7% de aumento salarial, R$ 5 de lanche, R$ 11 de tíquete alimentação e R$ 195 de cesta-básica.