Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Barracas de comércio irregular na avenida Camapuã, Jorge Teixeira, são removidas pela prefeitura

As barracas estavam há mais de três anos em frente à área de construção do Shopping T4, que vai oferecer mais de 300 vagas para os camelôs e ambulantes

Uma equipe de trabalho com secretarias municipais foi montada para fazer a retirada das barracas

Uma equipe de trabalho com secretarias municipais foi montada para fazer a retirada das barracas (Divulgação)

A Prefeitura de Manaus retirou quatro barracas de comércio irregular, que há mais de três anos ocupavam parte da calçada da avenida Camapuã, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, na manhã desta quinta (10). As barracas estavam em frente à área de construção do Shopping T4, que vai oferecer mais de 300 vagas para os camelôs e ambulantes.

A ação contou com participação das secretarias municipais de Infraestrutura (Seminf), Feiras, Mercados, Produção e Abastecimento (Sempab), além do Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Urbano). Segundo o gerente do Implurb, Elias Dias, desde o ano passado os proprietários das barracas eram notificados para que fizessem a demolição voluntária.

“Fizemos a demolição administrativa dando todo o suporte para que essas pessoas deixassem o passeio público, oferecendo a mudança e armazenando alguns pertences no Distrito de Obras da Zona Norte, até que busquem a regularização de suas atividades comerciais junto a Sempab”, explicou Dias.

As obras do Shopping T4 já começaram. Toda a estrutura terá mais de dez mil metros quadrados de área construída para alocar os vendedores e camelôs, com direito a supermercado, praças de alimentação, pista de caminhada e quadras poliesportivas.

“Também estamos realizando, por administração direta, o serviço de demolição da casa de show que existia aqui, bem como a terraplanagem do local. A ideia é que no momento de a empresa vencedora da licitação iniciar a obra física, estejamos, com pelo menos, dois meses de trabalho adiantado no cronograma”, afirmou o diretor de Engenharia da Seminf, Antônio Nelson.

*Com informações da assessoria de imprensa