Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Base fluvial da PM naufraga na madrugada desta sexta-feira (18), na Zona Oeste de Manaus

Chamada de ‘Peixe-Boi’, a Base José Alencar, na Praia Dourada, Zona Oeste da cidade, começou a adernar repentinamente para o lado direito, durante a noite; policiais conseguiram salvar apenas parte do material

Base fluvial foi tomada pelas águas e virou de cabeça para baixo, em Manaus

Base fluvial foi tomada pelas águas e virou de cabeça para baixo, em Manaus (Iury Alencar)

Uma base fluvial da Polícia Militar do Amazonas, que abrigava posto do Batalhão Ambiental e operava no rio Tarumãzinho, próximo à Praia Dourada, na Zona Oeste de Manaus, sofreu um naufrágio nesta sexta-feira (18), por volta das 2h da madrugada, após apresentar problemas mecânicos.

Conhecida como “Peixe-Boi”, a estação apresentou problemas que a fizeram adernar para o lado direito, levando os policiais presentes no local a usar motores-bombas para tentar drenar a água, sem sucesso. Em pouco tempo, a estação foi completamente tomada pela água e logo virou de cabeça para baixo.

 
Equipe do Corpo de Bombeiros avalia a situação da base ‘Peixe-Boi’ (Iury Alencar)

Os 14 ocupantes da base abandonaram o local com os documentos e armas que foram possíveis salvar. Fontes informaram que a base “Peixe-Boi” já vinha apresentando problemas há alguns dias, pois teria sido executada de forma errada. Ela inclusive já teria tombado de um dos lados anteriormente. Nenhum policial militar ou servidor civil ficou ferido no incidente.

Equipes do Corpo de Bombeiros, do Batalhão Ambiental e da Marinha estiveram no local durante toda a manhã, para avaliação dos danos e início dos trabalhos de perícia técnica.

Em nota, o Batalhão de Policiamento Ambiental informou que já está sendo feito um estudo para retirar a embarcação do fundo do rio. Também será aberto um procedimento administrativo, com prazo de 40 dias, para investigar o naufrágio.

*Com informações do repórter Iury Carvalho, da TV A CRÍTICA