Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Calçada não é mais o limite para vendedores ambulantes

Comércio informal agora tomou a pista de ruas e avenidas da Zona Leste de Manaus para montar barracas e vender tudo sem controle



Desorganização e invasão de camelôs em vias da Zona Leste de Manaus

Desorganização e invasão de camelôs em vias da Zona Leste de Manaus (J. Renato Queiroz)

Eles ocupavam as calçadas sem cerimônia há muitos anos, mas a briga por espaço entre  camelôs acabou por empurrar alguns deles para a pista de rolamento de ruas e avenidas de Manaus. Na rua da Penetração 1, no bairro São José, Zona Leste, ambulantes  atrapalham  a passagem de pedestres e o trânsito de veículos sem ninguém para importuná-los. Na rua o trânsito é intenso, pois ela dá acesso à avenida Autaz Mirim, principal do bairro. Motoristas e pedestres reclamam da desordem.

Na Autaz Mirim, os ambulantes têm tomado conta das calçadas e de pontos de ônibus. Os vendedores espalham tantos produtos que deixam pouco espaço para a circulação dos pedestres e estes precisam passar entre uma e outra banca. Os usuários do transporte coletivo dividem espaço com eles, que usam os pontos de parada para o comércio informal.

A falta de espaço nas calçadas leva não somente os pedestres a terem que circular pela rua Penetração 1, arriscando-se entre os carros, como até mesmo ambulantes instalam suas bancas com frutas e verduras ou colocam carrinhos para vender lanches no acostamento da via. A situação piora por causa de motos também estacionadas desordenadamente no acostamento da via.

As calçadas da rua Penetração 1 praticamente sumiram por conta da quantidade de coisas colocadas sobre elas. Na avenida Autaz Mirim ainda tem os pequenos lanches que também ocupam as calçadas. “O pedestre perdeu o seu direito de andar pela calçada e agora o motoristas também vai começar a perder seu direito de circular pela rua? Aonde isso vai parar?”, questiona o aposentado Isaías Lourenço, 67. O auxiliar administrativo Emerson Miranda, 35, também lamenta por ter o direito de circular por uma calçada livre desrespeitado. “Se não há calçada sem obstáculos, não há proteção para o pedestre que precisa andar pela rua e se arriscar entre os carros”, disse.

A bancária Alessandra Gonçalves, 360, cobra mais punição aos responsáveis pela desordem nas calçadas de áreas comerciais da Zona Leste. “Enquanto eles não receberem nenhum tipo de punição como o recolhimento dos produtos, das bancas e de outras coisas que atrapalham a passagem, eles continuarão se sentindo donos de todo o espaço”, diz.

Em números

#2 Metros de pista chegam a ser invadidos pelos vendedores de frutas e verduras em vias da Zona Leste. O problema afeta o trânsito de veículos e reduz as áreas para estacionamento dos consumidores do comércio formal da região.

Saiba mais

Município atento

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) informou que a área está sendo monitorada pelo órgão e o mesmo está articulado  com a Secretaria Municipal de Feiras, Mercados, Produção e Abastecimento (Sempab) para que os ambulantes não prejudiquem o fluxo de veículos na área. O órgão  também está articulando uma ação para coibir o estacionamento irregular. O Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) não se pronunciou.