Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Forte chuva volta a causar estragos em Manaus

A Zona Norte da capital foi a mais afetada, registrando ocorrências em diversos bairros. A Defesa Civil também contabilizou incidentes nas Zonas Norte, Sul e Centro-Oeste

Árvore tomba no Centro de Manaus e causa perda total de três carros

Árvore tomba no Centro de Manaus e causa perda total de três carros (Divulgação)

A forte chuva que assolou Manaus desde a manhã desta segunda-feira (24) já causou estragos, de acordo com a Defesa Civil da capital. Mais de dez ocorrências foram registradas pelo órgão, dentre elas seis alagamentos. A Zona Norte foi a mais afetada, com ocorrências nos bairros Loteamento Lago Azul, Cidade Nova e Loteamento Rio Piorini, este último com dois alagamentos registrados. Os bairros Zumbi dos Palmares (Zona Leste) e Parque das Laranjeiras (Zona Centro-Sul) também presenciaram casos.

Além disso, foram registrados oito deslizamentos de barrancom sendo dois no Conjunto João Paulo (Zona Leste), dois na Colônia Terra Nova (Norte), um na Redenção (Centro-Oeste) e um no Petrópolis (Sul). Com as chuvas, aumentam também os riscos de desabamento e uma vistoria atestou este risco num imóvel do Centro da cidade.

Também na área central, uma árvore tombou e atingiu três veículos que estavam estacionados na rua Lobo D'almada, causando perda total dos carros, segundo o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito de Manaus (Manaustrans).

Nesta manhã, o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes ficou fechado para pousos e decolagens de 04:41 até às 10:18 mas, de acordo com a assessoria de imprensa do local, nenhum voo foi afetado pelo fechamento. Até as 11:00, 38 milímetros de chuva já haviam precipitado na capital segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Na Ponta Negra, Zona Oeste, o igarapé do Gigante, nas redondezas do Condomínio Residencial Ponta Negra II, localizada na rua Cecília Meireles, transbordou e causou alagamento em toda extensão da via. Segundo a administradora do condomínio, Cleo Lopes, a guarita do local está inundada desde a noite de domingo (23).


"Isso é consequência de uma drenagem que foi feita no igarapé e quem mora nesta área pede socorro para as autoridades competentes", comentou Cleo. Para ela, o desassoreamento do igarapé, feito pela Prefeitura, que contribui para o aumento de volume da água.

A Defesa Civil recebeu, ao todo, 30 chamados por meio do número de emergência 199. As equipes começaram o atendimento pelas ocorrências de maior gravidade, entre elas três casas com risco de desabamento.

Uma das casas está localizada na rua Barcelos, bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Sul da cidade, e a outra na rua das Pratas, no Nova Vitória, Zona Leste. Equipes da Defesa Civil fizeram vistoria nos imóveis e as famílias foram cadastradas para atendimento pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh).

A outra casa está localizada na avenida Duque de Caxias, também na Praça 14 de Janeiro. O imóvel - com risco de desabamento - já era monitorado há uma semana por técnicos, que fizeram na manhã desta segunda-feira a demolição da casa. O espaço já estava desocupado pela família, que está sendo atendida por meio do Aluguel Social.

Oito deslizamentos de barrancos também foram registrados. Um deles, na Rua Fábio Lucena, no Tancredo Neves, Zona Leste, oferecendo alto risco por conta das casas construídas em cima dele. Outra situação de risco elevado foi registrada no conjunto Renato Souza Pinto, na zona Norte, onde equipes da Defesa Civil fizeram a vistoria em pelo menos 16 casas construídas em cima do barranco. As famílias do local também foram cadastradas para atendimento por meio do Aluguel Social. 

No entanto, é importante ressaltar que o problema vai muito além do que é registrado. Edilson Santana, morador do Conjunto Jardim Versalhes, bairro Planalto, na Zona Centro-Oeste de Manaus, que viu um alagamento na frente da sua casa hoje, afirmou que “toda época de chuva acontece isso”.

“Moro perto de um igarapé e, devido a Prefeitura não dar a devida manutenção à limpeza dos igarapés e a população não ter consciência sobre o que joga neles, as ruas dessa área ficam inundadas durante as chuvas. Nessa época, nós temos que ficar quietos, em casa, pois se sairmos, podemos até perder o carro”, afirmou Santana.

O ACRÍTICA.COM recebeu de uma internauta um vídeo que exibe o caos urbano decorrente de fortes chuvas. Na rua Estrada da Cetur, bairro Tarumã, moradores reclamam que a construção de dois muros represa a água e deixa moradores que transitam no local “ilhados”.

“Eu já fiquei presa pra dentro ou fora do ramal várias vezes. Quando chove forte, não tem como passar, porque a rua só tem esse acesso. Esse vídeo foi feito dentro de uma Ranger, só carro grande passa”, conta a moradora, que afirma também que o volume de água chega a altura da cintura.

“Aqui só tem uma linha de ônibus, a 450, e só passa a cada 1h30, até as 18h. De noite não tem como fugir da água usando o transporte coletivo”, diz.