Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Chuva na capital gera 37 ocorrências, segundo Defesa Civil

Alagamentos, ameaça de queda de árvores e muros e até a morte de uma criança de quatro meses foram registrados pelo órgão

Em flagrante postado na rede social Facebook, risco de deslizamento no canteiro central da Av. Brasil, na Compensa

Em flagrante postado na rede social Facebook, risco de deslizamento no canteiro central da Av. Brasil, na Compensa (Reprodução/Trânsito Manaus)

A chuva ininterrupta que cai em Manaus desde a noite de sexta-feira (7) causou 37 ocorrências até a manhã deste sábado (8), segundo a Defesa Civil. Entre os registros, há desde zonas de alagamento até a morte de uma criança de quatro meses de idade, ocorrida no bairro Petrópolis, Zona Sul, depois que um deslizamento de terra derrubou a parede do quarto onde ela morava.

Os estragos se fizeram sentir por toda a cidade. Alagamentos foram registrados nos bairros União, Nossa Senhora de Fátima II, Mutirão, Novo Reino II, Santa Luzia, Praça 14 de Janeiro, Armando Mendes, Nova Esperança, Colônia Santo Antônio, Santo Agostinho e na comunidade Manaus 2000, próxima ao igarapé do 40. Deslizamentos de terra também ocorreram nos bairros Tancredo Neves, Nova Floresta, Praça 14 de Janeiro, Nova Vitória e Colônia Oliveira Machado.

O muro de uma residência na rua Sabiá, no Campos Sales, Zona Oeste da cidade, desabou sobre o morador Adilson Maria de Oliveira, de 54 anos, que morreu. Outra queda de muro foi registrada no São Geraldo, e há um com risco de desabamento no Japiim I, bairro que também presenciou a queda de uma árvore.

Foram registrados dez desabamentos parciais de casas nos bairros Distrito Industrial, Redenção, Alvorada, Compensa II, São Francisco, Santo Agostinho, Armando Mendes, Colônia Antônio Aleixo, e Petrópolis. A Defesa Civil também foi informada de três riscos de desabamentos de casas nos bairros Zumbi, Nova Esperança e São Jorge.

Mobilização nas redes sociais

Equipes do órgão e da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh) vêm trabalhando para acompanhar os incidentes e prestar auxílio aos moradores atingidos. Nas redes sociais, as pessoas vêm postando fotos das ocorrências desde a madrugada, em especial das ruas da cidade, que ficaram alagadas nos períodos de maior intensidade da chuva.

O chefe da Casa Militar, coronel Fernando Farias, alerta que os pontos que inspiram mais cuidados são aqueles que ficam próximos de igarapés, por causa do risco de transbordamento. As famílias que moram em casas localizadas atrás do DB da Ponta Negra, segundo ele, estão sofrendo bastante por conta do transbordamento das águas.

“Estamos acompanhando a quantidade de chuva através de nossos pluviômetros instalados na cidade. Só saberemos os danos ao certo quando parar de chover, pois os problemas são contabilizados apenas quando a chuva encerra. As linhas da Defesa Civil estão disponíveis para atender toda a população", disse Farias. O órgão pode ser acionado pelo número 199.