Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Clientes de shopping em Manaus ficam mais de uma hora presos em elevador e cobram resposta

O elevador ficou cerca de 1h30 parado com onze adultos e três crianças. Algumas pessoas passaram mal e clientes denunciaram a falta assistência médica e a demora no resgate

Conforme clientes, a quantidade de pessoas não ultrapassava o limite de capacidade

Conforme clientes, a quantidade de pessoas não ultrapassava o limite de capacidade (Reprodução)

Um grupo de consumidores do shopping Ponta Negra, localizado na Zona Oeste de Manaus, passou momentos de sufoco, na noite de quinta-feira (1º), quando ficou preso no elevador por mais de uma hora. No total, o elevador estava com onze adultos e três crianças, que tinham por volta de quatro anos de idade.

O policial militar Francisco Mesquita foi uma das vítimas, e estava no elevador com a namorada. O casal entrou no elevador no piso L1 (primeiro andar das lojas) para seguir até o L3 (andar da praça de alimentação).

“Estávamos no L1 para subir ao L3, quando a porta fechou e, por volta de um minuto ficou dando estalos e deslizando para baixo. A porta abria e fechava sozinha. Ficou fazendo esse movimento até parar entre o andar L1 e G1, que é da garagem, onde ficamos presos por mais de uma hora”, explica.

O painel da porta mostrava que o sistema do elevador da empresa Thyssen Krupp estava fora de serviço, por isso, não conseguiam fazer contato com a segurança do shopping. Somente fizeram contato com alguém quando gritaram e os demais clientes ouviram e chamaram a equipe de segurança.

Após o chamado de socorro, os funcionários do Shopping Ponta Negra tentaram abrir a porta do elevador usando um pedaço de madeira. “Por essa fresta foi por onde conseguimos respirar. A ventilação parou em alguns momentos e houve início de pânico e as crianças choravam”, disse.

Sem assistência

Uma das reclamações do PM, em relação ao centro de compras, é que não havia nenhum enfermeiro ou paramédico para atender as pessoas que passaram mal dentro do elevador quando os homens do Corpo de Bombeiros conseguiram fazer o resgate das vítimas.

Segundo o PM, a direção do shopping não deu nenhum esclarecimento. Além disso, o policial afirmou que os bombeiros somente foram atender a emergência porque, após muito tempo, uma das pessoas que estava presa conseguiu fazer a chamada de telefone de dentro do elevador.

Um boletim de ocorrência foi feito pelo policial Mesquita no 19º Distrito Integrado de Policia (DIP). Ele também prometeu entrar na Justiça com uma ação por danos morais contra o shopping.


Resposta

A assessoria de imprensa do shopping Ponta Negra confirmou o incidente, que definiu como uma pane no funcionamento do elevador. A assessoria afirmou que todos os procedimentos de socorro para resguardar a segurança dos clientes foram realizados pela empresa responsável por realizar a manutenção dos elevadores.

Entretanto, a versão dada pelo Shopping Ponta Negra contrariou o que disse o PM. A assessoria informou que somente cinco pessoas estavam dentro do elevador na hora da pane, e que todos foram retirados com segurança e ninguém precisou ser encaminhado a hospital.

Durante o tempo em que os clientes ficaram presos, o painel do elevador Thyssen Krupp, de acordo com Mesquita, informava que cabiam treze pessoas e tinha capacidade para levar 980 quilos. O que, segundo ele, descarta a hipótese da pane ter sido provocada por excesso de peso.