Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Conselheiro da FDN é morto com sete tiros enquanto dirigia, em Petrópolis, zona Sul de Manaus

Alessandro Barbosa Fonseca, o Alê, participou da “farra” na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) em 2012, ocasião em que postou fotos no Facebook segurando um barril de chopp

Alê ainda foi atendido pelo Samu, mas morreu no Pronto Socorro 28 de Agosto

Alê ainda foi atendido pelo Samu, mas morreu no Pronto Socorro 28 de Agosto (Divulgação/ Cicom)

O traficante de drogas e ex-presidiário Alessandro Barbosa Fonseca, 38, o “Alê”, foi executado na tarde desta segunda-feira (9) com sete tiros de pistola PT .40, de uso exclusivo da polícia, na rua Nova Olinda, bairro Petrópolis, Zona Sul, quando trafegava com seu veículo, uma Saveiro Cross, de cor vermelha e placas NOM-6911.

Alê era um dos membros do conselho que dirige a facção criminosa Família do Norte (FDN) e considerado pela polícia de alta periculosidade.


Alê participou de farras na Unidade Prisional de Puraquequara, episódio que gerou uma crise no

sistema carcerário do Amazonas como a demissão do secretário da Sejus à época

De acordo com informações de moradores que presenciaram o crime, o fato aconteceu por volta das 14h30, quando Alê se aproximava da rua Crisântemo Jobim. Segundo eles, um carro Voyage de cor prata atravessou repentinamente na frente da Saveiro Cross. A vítima ainda conseguiu dar marcha ré no carro, atingindo um veículo Gol, de cor branca e placa JXM-9700, mas os assassinos desceram rapidamente do Voyage e foram até o Alê, em quem efetuaram mais de 17 disparos. Sete tiros atingiram Alessandro, sendo um no abdômen, dois no tórax, dois no braço esquerdo e dois no braço direito.

A 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foi acionada e isolou a área enquanto aguardava a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Alê ainda foi levado ao Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, onde morreu logo após dar entrada.

A câmera de segurança de uma escola particular flagrou a ação dos assassinos e as imagens foram disponibilizadas aos investigadores da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). A polícia trabalha com a hipótese de acerto de contas, motivado pelo tráfico de drogas.

Farra na UPP

Em 2012, Alê participou da “farra” na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) e postou fotos no Facebook segurando um barril de chopp. No dia 26 de fevereiro de 2014, ele  saiu da cadeia mediante alvará de soltura expedido pela desembargadora Encarnação das Graças Sampaio Salgado.