Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Custo da Construção Civil no AM é o mais elevado

Obras da construção civil em Manaus são mais caras que a média nacional. Dados do Sinapi apontam que  o custo médio por metro quadrado sai a mais de R$ 700,00.


O custo médio da construção civil por metro quadrado, no Amazonas, é de R$ 769,71, superando em 3,67% à média nacional, que corresponde a R$ 742,44 e sendo 3,47% maior que a média da Região Norte, onde o custo por metro quadrado é de R$ 743,87.

Os dados fazem parte do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Segundo o levantamento, entre janeiro e maio, o custo médio do metro quadrado na construção civil do Amazonas aumentou 6,33% e nos últimos 12 meses, 7%.

Dos 68 itens de material de construção que constam na lista monitorada mensalmente pelo IBGE no Estado, somente 22 (32%) apresentaram reajustes em maio, na comparação com abril, entre eles: areia (fina e grossa), tijolo maciço e alguns materiais de acabamento (como tubo PVC e torneira). Outros 12 apresentaram redução de valores no mesmo período (arame e azulejos, por exemplo) e 34 não variaram de preço nos últimos 60 dias.

O Sinapi nacional registrou variação de 1,61% em maio, evidenciando crescimento de 1,24% em relação a abril (0,37%). O acumulado do ano fechou em 3,64% e em 12 meses, 6,19%. Na comparação com 2009 (1,30%), o índice atual (1,61%), mostrou elevação. Com o resultado, o custo nacional da construção/metro quadrado passou de R$ 730,66 em abril, para R$ 742,44 em maio, sendo R$ 420,37 dos gastos com materiais e R$ 322,07 com mão-de-obra.

Salários A pesquisa do IBGE no Amazonas não mensurou a participação dos salários no custo final da construção, mas os dados nacionais indicam que o componente mão-de-obra avançou 2,95% nos custos, passando de 0,27% (abril), para 3,22% (maio).