Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Eduardo Ribeiro vai ser desativado após 120 anos

Hospital Psiquiátrico dará lugar a um Serviço Residencial Terapêutico que atenderá 40 pacientes

Hospital Psiquiátrico Eduardo Ribeiro

Hospital Psiquiátrico Eduardo Ribeiro (JUCA QUEIROZ)

O Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro será desativado em 2014 com quatro anos de atraso, depois de 120 anos de funcionamento e após  13 anos de criação da lei antimanicomial (10.216) que regulamentou os direitos da pessoa com transtornos mentais. A legislação da Reforma Psiquiátrica extingue manicômios e internação prolongada no País.

A desativação será possível com a inauguração do Serviço Residencial Terapêutico (SRT), prevista para o próximo dia 25. A construção das residências, bem como, a desativação do centro está sendo prometida pelo Governo do Estado desde 2010.

Até 2010, existiam 45 pacientes internados há mais de 30 anos no Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro. Atualmente são 32. Todos serão transferidos para oito residências construídas no bairro de Santa Etelvina, na Zona Norte atrás do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Silvério Tundis, que deve ser transformada em uma unidade de referência para o acompanhamento ambulatorial dos pacientes. Cada casa abrigará cinco pacientes. Eles finalmente deixarão o hospital de onde não saem há décadas para viver em sociedade, conforme preconiza a Lei da Reforma Psiquiátrica.

As residências terapêuticas estão em fase de acabamento e custaram R$ 1.674.841,66. Elas serão o primeiro passo para a reabilitação psicossocial dos pacientes e garantir o convívio social deles.

Em agosto de 2010, após o grupo “Retratos da Loucura” denunciar o descaso e abandono que os pacientes eram submetidos, o secretário de Estado de Saúde (Susam) prometeu a desativação do centro em janeiro de 2013.

Apenas o serviço de pronto atendimento (SPA) continua em operação para atender somente pacientes em crise que necessitem de ajuda médica imediata: urgência e emergência. O centro não admite mais nenhum paciente para internação dos chamados “Pavilhões”, há quase uma década.

O Pronto Atendimento mantém 20 leitos para pacientes que chegam em surto, mas a exemplo dos “Pavilhões” também estão em condições precárias. O prazo máximo para internação no local deveria ser de duas semanas, mas há casos de pacientes ficam até três meses.

O Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro é o único hospital psiquiátrico do Amazonas e foi construído em 1894 e transferido para o prédio atual na década de 80. Antes de 1984, o hospital psiquiátrico foi chamado de Colônia de Alienados e Hospital Colônia Eduardo Ribeiro e funcionava na área dos bairros Chapada e o bairro de Flores.