Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Estudante é morto com 25 facadas durante emboscada na Zona Oeste

O crime aconteceu na comunidade Parque São Pedro, a vítima foi esfaqueada pelas costas após ser imobilizada por dois homens

Estudante é morto com 25 facadas durante emboscada na Zona Oeste

Estudante é morto com 25 facadas durante emboscada na Zona Oeste (Antônio Menezes)

O estudante Benedito Marcos Cardoso de Almeida, 17 anos, foi esfaqueado 25 vezes e morreu na noite de segunda-feira (10) na comunidade Parque São Pedro (da Carbrás), bairro Tarumã, na Zona Oeste da cidade. Dois homens imobilizaram os braços do rapaz enquanto uma terceira pessoa efetuou os 25 golpes nas costas da vítima. 

Parentes velaram o corpo de Benedito na manhã de ontem na casa da família, na rua Dom Luiz, mesmo bairro. O crime aconteceu ruas depois, na rua Jardim Primavera.

“O mandaram levantar a camisa para ver se ele estava armado. Aí mandaram ficar de costas e começaram a esfaqueá-lo”, disse Valternei Cardoso, 35, irmão da vítima.

“Foi uma emboscada. Chamaram-no até lá e fizeram isso. Dois seguraram (a vítima) e um esfaqueou. Pessoas disseram que eles (assassinos) moram aqui próximo, mas não sei. Não sabemos que foram”, falou Valternei.

Equipes da Delegacia de Homicídios (DEHS) e do Instituto de Criminalística foram ao local ainda na noite de segunda e encontram o facão usado pelos assassinos, que foi abandonada.

“A gente nem se preocupava com ele porque era um menino tranquilo. Se ele usava ou vendia (drogas), isso começou há pouco tempo. Há um mês ele deu umas ‘saídas’ e ficava dois ou três dias dormindo fora. Ele tinha uma namorada, mas a gente não sabia quem era. Ele só falava que ia para a casa dela e a gente não se preocupava”, revelou o irmão, Valternei.

Moradores da rua Jardim Primavera não souberam informar as circunstâncias do crime. “Eu estava trabalhando e ele aqui estava dormindo. Não sabemos de nada”, disse um popular que não quis se identificar. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso pela DEHS.