Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Estuprador que se fazia passar por pastor é reconhecido pela vítima horas depois do crime

Dyony Cabral da Silva, 31, se apresenta como missionário da “Igreja Adventista do 7º Dia Triunfante”, que, segundo a polícia, não existe

Dyony agia sempre nas quintas-feiras de madrugada, abordando as vítimas com uma faca e cobrindo o rosto delas com um pano para não ser reconhecido

Dyony agia sempre nas quintas-feiras de madrugada, abordando as vítimas com uma faca e cobrindo o rosto delas com um pano para não ser reconhecido (Johnny Lima)

Foi preso na tarde desta quinta-feira (6) Dyony Cabral da Silva, de 31 anos. Ele foi reconhecido por uma mulher que ele teria estuprado por volta das 5h30 da manhã, na rua Cesareia, bairro Alfredo Nascimento, Zona Norte de Manaus, quando a vítima saía para ir à faculdade.

De acordo com informações do delegado-titular do 13º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Marcelo Pilar, Dyony a teria abordado na rua e levado para um terreno baldio, onde foi consumado o estupro. Após a partida do criminoso, a vítima foi direto para a delegacia registrar um Boletim de Ocorrência (BO), trazendo ainda amostras do sêmen que estava em sua calcinha.

No DIP já havia fotos do criminoso, pois Dyony era procurado por mais dois estupros, além de ser suspeito em outros seis, todos no mesmo bairro. O criminoso foi preso horas depois, caminhando pela rua Emanuel, que também fica no Alfredo Nascimento.

Ainda segundo o delegado, Dyony agia sempre nas quintas-feiras de madrugada, abordando as vítimas com uma faca e cobrindo o rosto delas com um pano para não ser reconhecido, estratégia que nem sempre funcionou, já que três mulheres o haviam denunciado e dado informações sobre sua aparência anteriormente.

Para aliciar as vítimas, o estuprador também se fazia passar por pastor de uma certa “Igreja do 7º Dia Triunfante”, que, segundo a Polícia, não existe. Por isso, ele também deverá ser indiciado por falsidade ideológica. O acusado negou todos os crimes, e disse estar sendo confundido com outra pessoa.

* Com informações do repórter Jhonny Lima.