Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Feto é encontrado em vidro de maionese por crianças em terreno no Petrópolis, em Manaus

Durante brincadeira, crianças sentiram odor vindo de área abandonada e encontraram objeto enterrado e dentro de recipiente de vidro. Feto era do sexo masculino e aparentava ter oito semanas de idade

Policiais militares da 3ª Cicom foram acionados e isolaram a área

Policiais militares da 3ª Cicom foram acionados e isolaram a área (Winnetou Almeida)

Um feto do sexo masculino, e aparentando ter oito semanas de idade, foi encontrado por duas crianças em um terreno baldio na rua Rio Urariá, conjunto São Sebastião, bairro Petrópolis, Zona Sul de Manaus, na manhã desta sexta-feira (29). O bebê estava inserido dentro de um recipiente de vidro para maionese de 500 gramas, de aproximadamente 7 centímetros.

As duas crianças estavam brincando quando sentiram forte odor vindo de área abandonada. Após vasculhar em meio a terra e folhas secas, elas encontraram enterrado o recipiente de vidro e, dentro dele, havia um feto. Sem saber do que se tratava aquele objeto, as crianças quebraram o vidro e deixaram o feto cair no chão.

Assustadas, as crianças correram e chamaram os pais, que perceberam a situação e ligaram a polícia. Policiais da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foram até o local e confirmaram a denúncia. “As crianças acharam o feto dentro de um vidro de ‘Hellmann's’, mas alteraram a cena em meio à brincadeira”, disse o aspirante Almeida, da 3ª Cicom.

Moradores do local, que não quiseram se identificar, apontaram uma jovem que estava grávida recentemente e que poderia ser a mãe do feto encontrado. Policiais da 3ª Cicom isolaram a área e acionaram peritos do Instituto de Criminalística e investigadores da Delegacia de Homicídios e Sequestros (DEHS). Até o momento, ninguém foi identificado como suspeita. 

*Colaborou a repórter Girlene Medeiros