Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Funcionários da Suframa fazem manifestação durante a reunião do CAS, nesta quinta (14)

Servidores levaram faixas para o auditório para protestar contra a precária estrutura física da empresa, que não foi melhorada após a greve deste ano

Ato foi pacífico, com os manifestantes expressando sua insatisfação através de faixas

Ato foi pacífico, com os manifestantes expressando sua insatisfação através de faixas (Antônio Menezes)

Funcionários da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) adentraram a reunião do Conselho de Administração da autarquia (CAS), na manhã desta quinta (14), para protestar por melhorias nas instalações físicas da empresa, uma exigência da greve deste ano que não foi atendida. No ato, pacífico, eles ocuparam as cadeiras do auditório onde acontecia o evento e levaram faixas com as reivindicações.

Segundo o diretor do Sindicato dos Servidores da Suframa (Sindframa), Sidney Nunes Magalhães, atualmente há uma série de problemas atrapalhando os afazeres diários dos trabalhadores. “Não temos, por exemplo, uma reprografia. Se um servidor precisar tirar uma xerox de um documento, ele simplesmente não vai conseguir. Também há uma infestação de ratos nas salas, a estrutura de internet é péssima, falha o tempo todo, enfim, uma série de problemas simples, que a gestão atual não tem vontade de resolver”, queixa-se.

 
A reunião do CAS (Antônio Menezes)

O ato foi marcado justamente para chamar a atenção dos representantes do CAS, que traz nomes de Rondônia, Roraima, Acre e do Governo Federal em sua composição. Por causa do protesto, representantes do Sindframa foram chamados para uma reunião nesta tarde com um secretário do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A Suframa enfrentou uma greve de 46 dias entre fevereiro e abril deste ano. A paralisação maciça provocou a interrupção de 70% das atividades da empresa, gerando um prejuízo estimado em 13 bilhões de reais. Os servidores pediam uma reestruturação dos salários e a melhoria das instalações da autarquia.