Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Iniciativas de reciclagem em Manaus ajudam o meio ambiente e trazem qualidade de vida

Cooperativas reaproveitam as garrrafas PET e latas de alumínio jogados no rio e dão um destino eficaz e lucrativo

Iniciativa de criar gaiolas para armazenar garrafas recicláveis gera renda para os cooperados

Armazenagem de garrafas recicláveis ainda gera renda para os cooperados (Euzivaldo Queiroz)

“Reciclar não significa somente transformar objetos e materiais usados em novos produtos para o consumo. Significa, também, limpar a beira do rio”. Essa é a denominação de reciclagem para Rogério Bentes, 35, trabalhador da marina do Davi, no Tarumã, Zona Oeste. Ele faz a travessia de passageiros para outros lugares do rio.

Incomodados com tantas garrafas e latas jogadas às margens do rio, os canoeiros da cooperativa da marina do Davi resolveram tomar uma atitude. “A partir do momento em que a gente viu o nosso ‘escritório’ ser tomado por garrafas PET e latas de alumínio nos reunimos e tivemos a ideia de limpar a beira do rio. Só que não sabíamos o que fazer e nem onde colocar todo esse lixo que estava poluindo e deixando feio o nosso local de trabalho. Então montamos duas gaiolas, uma para garrafas PET e outra para latinhas de alumínio”, afirmou o atravessador João Reis, 35.

Para o diretor da cooperativa de canoeiros, Adelson Carneiro, 54, a ideia foi a solução para limpar outros lugares onde os mesmos produtos eram jogados. “Hoje todos os PET e as latinhas são deixados pelos passageiros dentro dos barcos. Eu recolho no flutuante e os que encontramos no rio, a gente recolhe e joga dentro das gaiolas, tudo devidamente separado” afirmou.

Segundo Adelson, o lixo recolhido pela associação tem destino certo: as garrafas PET são usadas como boias em canoas de alumínio. Antes os cooperados usavam isopor como enchimento dos bancos para poder flutuar. Hoje é substituído por PET.

Ainda, segundo Adelson, o melhor destino recebem as latinhas. “Amassamos e vendemos. A última venda deu R$ 450 e com esse dinheiro fizemos um churrasco. Hoje ganhamos dinheiro, nos divertimos e ainda deixamos o rio limpo” disse.

Um benefício da reciclagem é a quantidade de empregos que ela tem gerado na cidade. Muitos desempregados agora conseguem renda para manter suas famílias.