Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Homem morre após ser esfaqueado por vizinho enquanto bebiam cerveja em Manaus

O crime aconteceu por volta das 21h, na rua 16 de Agosto, onde Stive e Sinésio estavam reunidos em um grupo

Stive trabalhava com o pai como ajudante de pedreiro e tinha duas filhas pequenas

Stive trabalhava com o pai como ajudante de pedreiro e tinha duas filhas pequenas (Divulgação )

O ajudante de pedreiro Stive Gomes de Souza, 27, foi morto com duas facadas no tórax na noite de domingo enquanto bebia cerveja com colegas no conjunto Riacho Doce 3, bairro Cidade Nova, na Zona Norte. O assassino, identificado por testemunhas como Sinésio, é um morador da área e está foragido.

O crime aconteceu por volta das 21h, na rua 16 de Agosto, onde Stive e Sinésio estavam reunidos no mesmo grupo de pessoas. “Eles começaram a brigar, quando o cara puxou a faca e depois o meu primo já foi caindo no chão, morrendo”, disse Janaína Teles, 19. A família não suspeita qual tenha sido o motivo do desentendimento.

“Ele ‘pegou’ duas facadas e uma foi direto no pulmão. Deixaram-no ser esfaqueado e não fizeram nada. Os meninos ainda correram atrás desse rapaz (Sinésio), mas ele já tinha ido embora. Hoje não tem mais ninguém lá na casa dele. Ele pegou a mulher e fugiu”, explicou a mãe de Stive, Maria Bernadete Gomes de Souza.

O velório de Stive ocorreu na manhã desta segunda-feira (17) em uma igreja na rua Esperança, também no Riacho Doce 3, endereço onde ele morava. “O defeito dele era a bebida, e também ele era usuário de drogas”, falou a mãe. “Disseram para mim que esse cara (Sinésio) foi pegar a faca e voltou para matá-lo. Agora queremos justiça”.

Stive trabalhava com o pai como ajudante de pedreiro e tinha duas filhas pequenas. A família registrou o homicídio no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e o caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (Dehs).