Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Omar e Artur em clima de campanha eleitoral na ZN

Mais procurado pelos populares, o governador Omar Aziz usuou a manhã para receber e ler cartas de eleitores em plena avenida

Às 9h30, Artur e Omar chegaram juntos à avenida Marginal Direita para  anunciar o pacote de obras para a região

Às 9h30, Artur e Omar chegaram juntos à avenida Marginal Direita para anunciar o pacote de obras para a região (Luiz Vasconcelos)

A primeira aparição pública de 2014 do governador do Amazonas, Omar Aziz (PSD), e do prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), aconteceu em clima de campanha eleitoral. Foi durante o anúncio de pacote de obras para a Zona Norte, nesta quinta-feira (9), no conjunto Galiléia 2.

Às 9h30, Artur e Omar chegaram juntos à avenida Marginal Direita (conhecida como Igarapé do Passarinho) para  anunciar o pacote de obras para a região. As entrevistas para a imprensa, convidada um dia antes, foram interrompidas por mini-reuniões com moradores, recebimento de cartas e bilhetes contendo pedidos, pausa para fotos e muitos beijos dos chefes do Executivo Estadual e do Municipal nos eleitores e até em quem ainda não vota.

Mais procurado pelos populares, o governador Omar Aziz usuou a manhã para receber e ler cartas de eleitores em plena avenida. Impossibilitado de disputar a reeleição, por ter assumido o Governo do Estado em 2010 para o então governador Eduardo Braga (PMDB) disputar a vaga de senador, Omar é apontado como pré-candidato a única vaga em disputa no Senado.

“Eu vejo todo esse carinho da população como uma benção porque se as pessoas me procuram é sinal que confiam em mim. E é bom saber que, reconhecidamente, as pessoas confiam em você. Mas só falo sobre a candidatura em março”, disse Omar ao responder a pergunta se a manifestação popular o deixava mais empolgado para disputar o Senado.

Questionado sobre o porquê de não ter feito esse tipo de ação conjunta quando Amazonino Mendes (PDT) era prefeito, o governador respondeu: “Eu peguei os dois primeiros anos de mandato com muita dificuldade financeira, e todos sabem disso. Eu tinha que concluir uma ponte e, no primeiro ano, tive que gastar R$ 600 milhões dos cofres do Estado só com essa obra. Tive que bancar ainda a construção da Arena (da Amazônia), e foram mais de R$ 100 milhões para adiantar as obras. Mas se eu não concluísse aquela ponte no primeiro ano eu seria chamado de maior incompetente da cidade”, disse.

O prefeito Artur Neto ao ser  abordado por populares, que reclamavam de diversos problemas tais como os valores cobrados pela taxa de esgoto e a falta de postos de saúde, ele ordenava que seus assessores colocassem os populares em contato direto com “a solução do problema”, os responsáveis pela gestão dos serviços.

O presidente da Manaus Ambiental, Alexandre Bianchini, e o secretário municipal de Saúde, Evandro Melo (Pros), foram alguns dos que tiveram que dar explicações a populares por meio de ligações feitas pelo celular dos secretários e assessores municipais que participaram do evento na Zona Norte.

Populares chegaram em kombis

Dezenas de eleitores chegaram à avenida Marginal Direita em kombis mobilizadas para levar eleitores ao encontro do prefeito e do governador.

A CRÍTICA contabilizou a chegada de sete kombis transportando eleitores para o local do encontro. Os veículos despejavam as pessoas minutos antes da chegada do governador e do prefeito a poucos metros da área onde aconteceria o anúncio do pacote de obras.

A diarista Maria Aparecida Barroso, 30, foi uma das eleitoras levadas ao local. Maria afirmou que uma mulher, não identificada, a convidou para participar do encontro. “Uma mulher  me parou na rua e perguntou se eu não queria ir ver o prefeito e o governador. Estou aqui esperando eles chegarem. Espero que me dêem almoço e me levem de volta antes que minha patroa acorde e perceba que eu ainda não voltei”, disse.

A secretaria municipal de  Comunicação (Semcom) e a Agência de Comunicação do Governo (Agecom) informaram que não foi oferecido transporte às pessoas que foram ontem ao Igarapé do Passarinho.