Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Presas fazem segundo motim em três dias, no CDP

A detenta Luciana Ferreira da Silva, presa por envolvimento no assassinato de um empresário na Ponta Negra, foi a mentora do motim deste sábado (2); ela imobilizou uma agente e a fez refém, provocando toda a confusão

Luciana (à frente na foto) e mais a detenta Elke Silva, de 25 anos, deverão ser indiciadas por ameaçarem a fazerem a agente penitenciária refém

Luciana (à frente na foto) e mais a detenta Elke Silva, de 25 anos, deverão ser indiciadas por ameaçarem a fazerem a agente penitenciária refém (Bruno Kelly)

Um motim realizado pelas detentas da nova ala feminina do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDP), neste sábado (2), terminou com um novo indiciamento por tentativa de homicídio para Luciana Ferreira da Silva, 34 anos, presa na semana passada por envolvimento no latrocínio (roubo seguido de morte) do empresário Jailson Teixeira Maciel, num condomínio de luxo na Ponta Negra, além de ter aparecido em um vídeo onde executa a sangue-frio um ex-comparsa.

A confusão começou quando Luciana, que chegou ao CDP nesta sexta (1º), conseguiu imobilizar e fazer de refém uma agente penitenciária, por volta das 16h. Aproveitando-se de um descuido, ela tomou um martelo das mãos da agente, usado para um procedimento rotineiro conhecido como “bate-cela”, quando os seguranças batem a ferramenta de leve nas grades para saber se elas foram serradas.


O martelo de borracha usado no ‘bate-cela’ (Bruno Kelly)

Ao verem Luciana dominar a servidora, as demais presas dos pavilhões 2 e 3 da unidade começaram a correr e a gritar, fazendo diversas reivindicações, as quais, segundo o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Louismar Bonates, que acompanhou a rebelião, teriam por objetivo restabelecer as regalias que elas desfrutavam quanto eram da Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus. Pouco mais de 100 presas se envolveram no tumulto.

Os batalhões especializados da Polícia – Rocam, Marte, Choque – foram ao local e a situação foi contida por volta das 18h. Luciana e mais uma presa, Elke Nunes da Silva, de 25 anos, foram encaminhadas à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros para registrar a ocorrência. Uma das detentas passou mal e precisou ser levada em uma ambulância para receber atendimento médico.

Este é o segundo motim ocorrido na ala feminina em três dias. Na última quinta (30), as detentas queimaram colchões para protestar contra a transferência da antiga ala da Cadeia Pública, que foi desativada, seguindo o projeto da Sejus de inutilizar o presídio definitivamente em fevereiro de 2015. A ala feminina do CDP tem abriga atualmente 192 presas.


O secretário de Justiça e Direitos Humanos do Amazonas, Louismar Bonates (Bruno Kelly)