Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Remanejamento do efetivo e falta de concurso público frustram policiais civis do AM

Após anúncio da entrega de novas delegacias em Manaus, leitores e policiais questionaram a falta de servidores na Polícia Civil e cobram a realização de concurso da instituição

Além de oferecer suporte de segurança, a nova instalação acrescenta a filosofia do atendimento humanizado aos moldes do programa Ronda no Bairro.

Várias delegacias foram inauguradas em 2013, entre elas a Delegacia do Turista (Divulgação - PC)

Sete novos Distritos Integrados de Polícia (DIPs) serão entregues pelo Governo do Amazonas até o mês de março deste ano, apesar do pouco efetivo de policiais civis para trabalharem nas novas unidades. A iniciativa prevê a melhoria da segurança da população amazonense e supera a marca de R$ 20 milhões em investimentos na infraestrutura, mas intriga e gera a insatisfação de servidores da Polícia Civil que aguardam a realização de concurso público.

Em matéria publicada no último dia 15 de janeiro sobre o anúncio de inauguração, leitores também questionaram o concurso da instituição anunciado no início de 2013, além do remanejamento de pessoal e o não funcionamento das delegacias em regime integral. O Governo do Estado prometeu realizar novo concurso, porém, não há prazo para fazê-lo nem mesmo quantidade de vagas que serão abertas.

Para o investigador Luiz Souza (nome fictício para preservar a sua identidade), a construção de novos DIPs - sem a elaboração de um concurso público para a contratação de policiais que atendam a necessidade da segurança – tem prejudicado o trabalho de investigação em todas as zonas da cidade, já que o efetivo policial foi remanejado para os novos espaços.

“Do que adianta a segurança pública investir em mais delegacias sem policiais suficientes para atender a demanda de flagrantes e inquéritos policiais? Investigadores, escrivães e até mesmo delegados estão sendo transferidos para os novos postos, tornando a equipe cada vez mais reduzida”, declarou.

Outro policial civil, que preferiu não se identificar, declarou que aproximadamente cinco policiais são escalados para trabalharem nos plantões da noite, fim de semana e feriados por turno. Sendo assim, a maioria das delegacias não funciona 24 horas. As ocorrências da noite e madrugada, além dos fins de semana são encaminhadas para uma das centrais de flagrantes. O medo dos servidores é que este número reduza ainda mais com a inauguração dos setes DIPs.

“A redução na equipe de investigação e nos que recebem os flagrantes foi grande, mesmo com inclusão de estagiários chamados pela Polícia Civil no ano passado. O necessário seria um novo concurso para que novos policiais entrem na instituição e atenda a demanda, inclusive no interior onde o programa Ronda no Bairro está sendo implantado. Ano passado foi amplamente divulgado pelo delegado geral, mas até agora não há nenhuma informação sobre o edital do certame”, declarou.

Vice-governador, Josué Melo, em visita a obra do 16º DIP


Polícia Civil estaria preparada

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, que por meio da Agência de Comunicação do Governo do Estado do Amazonas (Agecom), informou que a “Polícia Civil tem cerca de 1.400 policiais, dos quais cerca de 1.000 atuam na capital. Quando à necessidade de remanejamento do efetivo, o mesmo é feito a partir de planejamento que não compromete o atendimento nos DIPs, otimizando os serviços prestados”, por meio de nota.

Ainda de acordo com as informações da assessoria, o sistema de plantão nas centrais de flagrante adotado visa aperfeiçoar o atendimento com os recursos materiais e humanos da instituição. São priorizadas durante o processo as zonas com maior incidência de ocorrências, e não por conta do efetivo. Segundo o órgão, houve uma ampliação significativa desde 2011 até 2013, onde 4,6 mil candidatos aprovados em concurso para as Polícias Civil, Militar e Corpo de Bombeiros foram chamados.

Todas as delegacias funcionam 24 horas para atender a população por meio de registro de ocorrência e situações de emergência e as centrais registram os crimes em flagrante a partir das 18h.

Concurso público

Questionados sobre o concurso público prometido para este ano, a Agecom informou que o Governo do Estado prepara um novo concurso para Polícia Civil e ainda trabalha na preparação do edital. O número de vagas e prazos para o edital não foram informados, já que o planejamento estaria em andamento.

Delegados para o interior do AM

Alguns municípios do interior do Amazonas não possuem delegados concursados atuando em suas delegacias, geralmente um investigador é nomeado como chefe de polícia para atuar na função. Ao ser questionado sobre o remanejamento de delegados da capital amazonense para o interior do Estado, com a implantação do Programa Ronda no Bairro, o delegado geral de Polícia Civil, Josué Rocha, disse que essa prática não ocorre.

Segundo Rocha, atualmente 91 delegados, aprovados no último concurso da instituição, participam do curso de formação e devem ser enviados para as delegacias do interior do Estado.

Como funciona

Em Manaus, nove delegacias funcionam como centrais de flagrantes, além de três especializadas, sendo:

Zona Sul – 1º DIP (que também atende ocorrências do 7º e 24º DIPs) e 3º DIP ( 2º DIP).

Zona Norte – 6º DIP (13º e 27º DIPs) e 15º (18º e 26º DIPs)

Zona Leste – 9º DIP (11º, 25º e 29º DIPs) e 14º DIP (4º, 28º e 30º DIPs)

Zona Oeste – 19º DIP (5º, 8º, 20º e 21º DIPs)

Zona Centro Oeste – 10º DIP (17º DIP)

Zona Centro-Sul – 12º DIP (16º, 22º e 23º DIPs)

Além da Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca), Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai) e Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM).