Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Torcida abençoada: freira chilena torce pela união

Chilena radicada em Manaus há quatro anos, irmã Adela espera uma vitória contra o Brasil, mas torce mesmo é pela união das duas nações

Irmã Adela espera uma vitória contra o Brasil, mas torce mesmo é pela união das duas nações

Irmã Adela espera uma vitória contra o Brasil, mas torce mesmo é pela união das duas nações (Lucas Silva)

A partida entre Brasil e Chile que acontecerá amanhã, no Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, terá uma torcedora que vai ecoar o nome do time chileno quando sair uma bela jogada ou mesmo um gol capaz de selar uma vitória sobre a equipe nacional. É a irmã Adela Espinoza, 50, chilena radicada no Amazonas há quatro anos, moradora do bairro Armando Mendes, Zona Leste, onde coordena um projeto social e educacional com crianças.  Capaz de mobilizar apoiadores para o time do país dela quando o adversário não é o Brasil, ela promete torcer e vibrar muito pelo time de cores azul, vermelho e branco.

Formada em Pedagogia e Teologia, irmã Adela veio para Manaus chamada pela Congregação Filhas de Sant’Ana, presente em todos os continentes. Gostou do desafio de descobrir a Amazônia onde,  há dois anos, passou a ser coordenadora do projeto denominado “Um sorriso luminoso”, da congregação, que atende a mais de 60 crianças, com idade entre sete a 12 anos, em situação de risco social ou com dificuldades de aprendizado. Na sede do projeto, esses meninos e meninas têm aulas de reforço escolar, informática, dança e recreação no horário em que não estão na escola, explicou ela, há 22 anos dedicada ao trabalho religioso.

Torcida

Como não poderia ser diferente, irmã Adela gosta do time de futebol do seu país e sonha com um título inédito de campeão mundial, por achar que a equipe está bem preparada. Torcedora do Universidad Del Chile, time da primeira divisão do futebol chileno, a irmã diz não entender muito das regras desse esporte, mas se encanta com as belas jogadas e, de longe, confessa: “Acho um pouco difícil o Chile ganhar do Brasil, mas se isso acontecer, será maravilhoso, prometo torcer e gritar muito”, assegura, lembrando que o futebol é um esporte muito popular no Chile e, por estar fora do seu país, será um pedaço dele aqui na sede da Copa do Mundo de 2014. No sábado, deverá assistir ao jogo junto às companheiras da congregação Socorro Arruda e Sandra Cavalcante, 32, com toda a esperança na equipe que, segundo afirma, não depende de um só jogador para ter sucesso.

Bandeiras e torcidas à parte, a irmã aproveita a realização da Copa do Mundo de Futebol para incentivar as crianças atendidas no projeto a aprender sobre a fraternidade e a união dos povos em torno da solidariedade. “O esporte sempre une e quando rezamos com elas, pedimos para que a Copa seja uma oportunidade para fortalecimento da fraternidade dos povos, pois vivemos tempos difíceis com tantas guerras, mortes e fome”, disse.

Mesmo com o coração atento às emoções dos jogos da Copa do Mundo de Futebol e ao desempenho do time do Chile, ela reza também para que o campeonato mundial seja mesmo uma ponte de comunicação, solidariedade, alegria e fraternidade entre os povos. “A Copa pela qual devemos lutar é a do amor, pois apesar da diferença de línguas, raças e  religiões, somos todos filhos de Deus”, assegurou Adela.

Projeto para crianças

No projeto “Um sorriso luminoso”, a irmã Adela Espinoza diz que o foco do trabalho é para ajudar as crianças a ter uma formação humana e espiritual,  pois muitas delas não têm famílias estruturadas e sofrem com a deficiência do sistema escolar. Frequentemente ficam sem aula, o que prejudica mais o aprendizado, explicou a irmã, que considera fraca a educação oferecida no bairro.

Sobre o financiamento do projeto, ela destaca o que chama de ajuda de Deus. “A providência divina mora na sede do projeto, não nos visita, porque sempre chegam doações”, argumenta ela, para completar dizendo nunca ter experimentado uma providência como a existente em torno desse projeto, que acaba atendendo não só as crianças, mas também suas famílias.