Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

IML registra quatro mortes por arma de fogo em Manaus

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, em nenhum dos casos foi registrado Boletim de Ocorrência (BO)

Todas as mortes registradas pelo IML foram por meio de disparos de armas de fogo

Todas as mortes registradas pelo IML foram por meio de disparos de armas de fogo (Winnetou Almeida)

O Instituto Médico Legal (IML) registrou quatro mortes por arma de fogo durante a noite madruga desta segunda e terça-feira (27 e 28).

De acordo com informações da assessoria de imprensa da polícia civil, a primeira morte foi a do menino de 11 anos que estaria brincado com a arma de fogo do padrasto (um suposto policial militar), e acidentalmente disparado um tiro em sua cabeça.

Outra vítima de arma de fogo foi Carla do Nascimento Douzanis, 20 anos. Ainda não se sabe os motivos para o assassinato da jovem, mas informações preliminares dão conta que homens conhecidos como Nênê e Rafaelzinho estariam envolvidos no caso.

Leandro Viana Cardoso, 18, e Ismael Fernandes Soares, 25, também fazem parte das estatísticas de homicídios do IML.

Sem identificação

O corpo do homem encontrado na manhã dessa segunda-feira (27) na rua Suíça, Bairro Novo Reino II, zona Leste, ainda está no Instituto Médico Legal.

O cadáver que apresenta cor parda, 1 metro e 65 centímetros de altura. Ele que estava só de cueca, possui marcas de pauladas no rosto e cabeça, e perfuração de arma branca no pescoço.

A suspeita é de que o homem tenha sido morto em outro local e trazido para o matagal. Segundo o policial militar da 14ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Samison Roldão, a área onde o corpo foi encontrado é deserta e tranquila.

A polícia descarta a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte), já que os pertences da vítima não foram roubados. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) investiga o caso.