Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Projeto para a construção de Rodoanel em Manaus é analisado

A Secretaria de Política Fundiária começou esta semana o trabalho de cadastramento socioeconômico das famílias e de avaliação dos terrenos e benfeitorias

O projeto de elaboração do Rodoanel em Manaus já passa por estudos e avaliações da Secretaria de Política Fundiária (SPF). A obra deve abranger uma área total de 54.160 metros de extensão.

O Rodoanel consiste na construção de uma nova via interligando o aeroporto Eduardo Gomes às Zonas Sul e Leste, onde se concentram as fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM), solucionando parte dos problemas de logística, escoamento da produção industrial e ampliando a mobilidade urbana na capital.

A área do Rodoanel abrange um total de 54.160 metros de extensão, sendo 36.320 na primeira fase, que vai da rodovia Vital de Mendonça, passa pela avenida do Turismo até a entrada do aeroporto internacional Eduardo Gomes. A segunda fase, com 17.840 metros de extensão, começa na Reserva Ducke, no bairro Cidade de Deus, entre a avenida Margarita até o trevo da avenida Cosme Ferreira, próximo ao Colégio Agrícola.

O projeto será executado pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). "A partir do trabalho que está sendo executado pela SPF, o Governo terá uma previsão de custo com as desapropriações e indenizações para a construção do rodoanel", informa o secretário Ivanhoé Mendes.

"A secretaria estava fazendo o trabalho interno de identificação do acervo fundiário e elaboração dos mapas. Agora vamos começar a vistoria dos imóveis, plotar e caracterizar as áreas para, em seguida, ser feita a avaliação das propriedades", explica o secretário de Política Fundiária, Ivanhoé Mendes.

Segundo ele, a partir da conclusão desse trabalho, que deve ocorrer em até 80 dias, será possível começar o processo de desapropriação da área e indenização dos moradores. "Estamos estimando entre 400 a 500 famílias residentes nessa área. Nossas equipes vão cadastrar todas as famílias, com o perfil socioeconômico de cada uma delas, para que o Governo possa criar programas sociais para inseri-las", afirma Mendes.

*Com informações da assessoria de imprensa da SPF