Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Ex-prefeito e coronel da PM são presos em Manacapuru

 Juíza que determinou a prisão dos dois disse que tenta coibir a mistura perniciosa de policiais militares em atividade políticas 

Vereador Afrânio Pereira Júnior

Vereador Afrânio Pereira Júnior (Divulgação/Internet)

A juíza da 6ª Zona Eleitoral, em Manacapuru, Rosália Sarmento, decretou, nesta segunda-feira (01), a prisão preventiva do ex-prefeito e vereador-licenciado do município, Afrânio Pereira Júnior, e do coronel da Polícia Militar (PM) Marcos Brandão da Cunha.

Segundo a magistrada, a prisão de Afrânio, que é major da reserva da PM, e a de Brandão, é uma tentativa de coibir a mistura perniciosa de policiais militares em atividades político-partidárias que tem imperado em Manacapuru às vésperas das eleições municipais.

“Essa mistura explosiva de polícia e política já deu margem para muita matéria jornalística (...), se não forem adotadas medidas extremas como as que têm sido adotadas nos últimos dias a próxima notícia veiculada será de morte coletiva”, justificou Rosália no decreto de prisão.

O major Afrânio é coordenador de campanha do candidato a prefeito da coligação “Resistência de Manacapuru”, Washington Régis (PMDB). O coronel Brandão foi comandante da PM na cidade, e hoje mora em Manaus. O escritório jurídico da campanha de Régis no município funciona numa casa de propriedade do coronel.

Assim que foram informados do decreto de prisão contra eles, Afrânio e Brandão vieram para Manaus, onde se apresentaram à corregedoria da PM. Segundo a decisão da juíza, os dois deveriam ser encaminhados ao Comando de Policiamento Especializado (CPE), na Zona Oeste da capital.

O decreto de prisão preventiva dos dois policiais foi motivado por uma representação do atual prefeito de Manacapuru e candidato à reeleição, Ângelus Figueira (PV), da coligação “O trabalho fala mais alto”.

“A representação pedia a prisão apenas do major Afrânio, mas eu entendi que o coronel Brandão deveria ser preso também, porque temos conhecimento do envolvimento político dele no município”, explicou Rosália, por telefone.