Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Em Manaus, média de três estupros a cada dia deixa infância vulnerável

De janeiro a outubro, 960 crianças e adolescentes de zero a 14 anos foram violentadas em Manaus. Nesta sexta-feira (6), houve mais um caso

A delegada Linda Gláucia, da Deapca, representou pela prisão preventiva dele e conseguiu prendê-lo em um sítio na BR-174

A delegada Linda Gláucia, da Deapca, representou pela prisão preventiva dele e conseguiu prendê-lo em um sítio na BR-174 (Arquivo/Winnetou Almeida)

A Delegacia Especializada de Apoio e Proteção a Criança e ao Adolescente (Deapca) registrou 960 casos de estupros a vulneráveis – crianças e adolescentes de zero a 14 anos de idade – ocorridos no período de janeiro até outubro deste ano, uma média de três casos a cada dia.

A titular da especializada, delegada Linda Gláucia, disse que esse número poderá chegar a 1.000  até o último dia do ano. Ontem, a delegada apresentou  mais um caso envolvendo uma menina de 11 anos. “A ausência da família na vida dessas crianças é o principal motivo para esse crescimento”, disse ela.

Wellington Fernandes de Souza, de 19 anos, foi apresentado ontem de na Deapca como suspeito de ter assaltado uma residência no bairro Novo Israel e estuprado a criança.  O que mais chamou a atenção dos policiais foi a confissão do criminoso, de forma fria. “Tive dificuldades pra estuprá-la, porque ela se debatia muito”, lembrou.

A mãe da criança contou que ela mora só com a filha e que no dia 26 de novembro, ela dormia ao lado da filha quando as duas foram acordadas por dois homens armados com facas. Eles anunciaram o assalto  e começaram a revirar a casa.

Não satisfeitos, um dos assaltantes, aparentemente sob efeito de drogas, resolveu estuprar a menina sem atender as súplicas da mãe, que pedia para que ele não fizesse nada com a menina. Segundo a mãe, ela teve que segurar a mão da filha enquanto ela era estuprada. “Eu segurei para passar força para ela”, disse a mãe.

O outro suspeito identificado pelo apelido “Da Paz”  ficou na porta para vigiar. Após o crime, os criminosos fugiram  levando um notebook, além de um celular e R$ 200. Segundo a delegada, o caso foi registrado no 18º Distrito Integrado de Polícia (Dip), bairro Novo Israel, mas a mãe iniciou uma investigação por conta própria  e conseguiu localizar o  suspeito. Ela acionou a polícia, que prendeu o criminoso.

O caso foi levado para a Depca, onde Wellington foi ouvido e, em seguida, liberado por estar fora do flagrante. A delegada representou pela prisão preventiva dele e conseguiu prendê-lo em um sítio na BR-174. Na delegacia ele confessou o crime. A delegada está tentando dar cumprimento ao mandado de prisão de “Da Paz”, que está foragido.

Erros

A delegada Linda Gláucia disse que a ausência das famílias no cotidiano das crianças tem motivado esse crescimento dos estupros. Os pais precisam ficar mais presentes na vida dos filhos, acompanhá-los na escola, na Internet e não deixá-los sozinhos na casas de terceiros. De acordo com a delegada, é expressivo o número de estupros que acontece em família, por padrastos, tios e avós.

Transferência

Ontem Wellington foi encaminhado para a cadeia  pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, localizada na avenida 7 de Setembro, centro.