Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

  • EM DESTAQUE

  • Últimas
  • Polícia
  • Trânsito
  • Transporte Coletivo
  • Saúde
  • Economia
  • Política
  • Por ciúmes, marido mata sua própria mulher enforcada após ler conversa no Whatsapp

    O crime aconteceu dentro da residência da família, no Residencial Viver Melhor da Zona Norte de Manaus, onde o corpo de Andreza Salgado de Andrade permaneceu por três dias até a polícia ser acionada

    Friamente, o suspeito contou que havia matado a mulher durante uma briga por causa de ciúmes

    Friamente, o suspeito contou que havia matado a mulher durante uma briga por causa de ciúmes (Antônio Menezes)

    Depois de flagrar uma conversa da companheira, Andreza Salgado de Andrade, 26, em um grupo do aplicativo de mensagens WhatsApp, o industriário e técnico de informática Alexandro Gomes Corrêa, 26 anos, a matou estrangulada por ciúmes. Ele manteve o corpo de Andreza escondido dentro da cama box do casal durante três dias.

    O crime aconteceu dentro da residência da família, localizada na rua 9, quadra 36, do conjunto residencial Viver Melhor, Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus, e chocou os vizinhos que conviviam com a vítima e o suspeito.

    De acordo com a polícia, Andreza foi morta às 23h da última sexta-feira (13) e foi encontrado às 22h de segunda (16) por um amigo do casal que foi até a casa e sentiu o forte odor do corpo, já em avançado estado de decomposição.

    O que mais impressionou no caso, segundo a equipe de investigação do 15º Distrito Integrado de Polícia (DIP), é que o técnico manteve a mulher em cima da cama durante os dois primeiros dias, dizendo aos quatro filhos que a mesma estava dormindo, e ainda permaneceu no local.

    “Ele disse em depoimento que a deixou na cama pensando que estava desacordada, mas ao perceber o estado de rigidez do corpo e sentir o odor, ele resolveu enrolar Andreza em um lençol e depois em um saco plástico e colocar embaixo da cama box do casal”, disse o delegado plantonista Fabiano Pignata.

    'Ela me agrediu'

    Em entrevista à reportagem, o suspeito friamente contou que havia matado a mulher durante uma briga, motivada por ciúmes.

    “Eu fui trabalhar no Distrito há quatro meses e ela começou a sentir muitos ciúmes, achando que eu tinha outra mulher na fábrica. Eu disse para ela que não tinha ninguém, mas motivada por uma vizinha, ela começou a se arrumar e a sair com um homem, que ainda não sei quem é. Eu descobri o caso, mas mesmo assim eu pedi para esquecermos isso e vivermos bem com os nossos filhos”, disse.

    Ainda segundo ele, no dia do crime a esposa recebeu inúmeras mensagens no celular – de um grupo no aplicativo – e o mesmo foi questioná-la sobre o fato. Foi quando a dona de casa teria ficado com raiva, tomado o aparelho de suas mãos e lhe dado uma tapa.

    “Ela me agrediu, veio pra cima e me deu chineladas, além de me enforcar em cima da cama. Consegui tirá-la (de cima) e comecei a fazer a mesma coisa, só que ela desmaiou. Pensei que ela estava só desmaiada, mas ela não acordou”, disse.

    Alexandro disse que ficou em casa com os filhos porque sabia que seria preso assim que descobrissem a morte da mulher. Ele trancou o quarto e jogava sabão em pó e água sanitária na casa para os vizinhos não desconfiarem do cheiro. Os policiais militares da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) realizaram a prisão e acionaram o Instituto Médico Legal (IML)

    Uma vizinha que preferiu não se identificar declarou que durante os três dias, Alexandro saiu de casa normalmente, conversou com os vizinhos e disse que a mulher tinha viajado para o município de Manacapuru.