Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Menina de 11 anos foi violentada pelo próprio padrasto

Segundo a vítima, o padrasto, de 50 anos, cometeu o crime contra ela por diversas vezes há cerca de um ano e a mãe sabia do caso

Menina de 11 anos foi violentada pelo próprio padrasto

Menina de 11 anos foi violentada pelo próprio padrasto (Lucas Silva)

Uma menina de 11 anos foi violentada pelo próprio padrasto em casa no conjunto Ouro Verde, bairro Coroado, Zona Leste de Manaus, nesta quarta (22). Segundo a vítima, o padrasto, de 50 anos, cometeu o crime contra ela por diversas vezes há cerca de um ano e a mãe sabia do caso.

O agressor não foi preso porque o crime aconteceu ontem, sem a possibilidade de flagrante. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca).

Segundo a vítima, o padrasto pegava nas partes íntimas dela. “Ontem ele tentou de novo. Era de manhã cedo. Minha irmã saiu para trabalhar às seis horas da manhã e aproveitou”, disse a garota.

“Ele não bate na porta, vai logo entrando e agarrando. Eu estava dormindo. Ele me forçava a dar beijos nele. Eu tentava gritar, mas ele tampava minha boca”, contou. O agressor já tem passagem na polícia pelo mesmo crime, por ter estuprado a vizinha de 10 anos.

A mãe da garota, grávida, estava na casa no momento do estupro, porém estava dormindo em outro quarto com os outros três filhos pequenos. “Estavam todos dormindo. Fui à casa do meu tio e disseram para eu vir aqui na Depca”, informou a irmã da vítima, que acompanhou o depoimento da irmã na delegacia.

Segundo as irmãs, nem a mãe delas nem o agressor sabiam que elas estavam denunciando o estupro.

“Ele não sabe que a gente está aqui (delegacia). Ele disse para eu ficar calada e não falar para ninguém, se não ia acontecer alguma coisa com a gente (família). Eu já tinha falado para minha mãe e ela disse que ia abandonar a casa”, contou a vítima.

O caso será investigado pelos investigadores da Depca e a delegada Luciana Shelzia deverá solicitar a prisão preventiva do agressor.