Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Mulher é morta pelo marido com uma facada na perna por ciúmes

Segundo vizinhos, o casal tinha o hábito de beber e se envolver em brigas por conta dos ciúmes do marido

Após discussão na casa onde moravam, Adriano desferiu uma facada na perna da vítima

Após discussão na casa onde moravam, Adriano desferiu uma facada na perna da vítima (ACRITICA)

A autônoma Gilza Corrêa Santana, 46, morreu na noite do último domingo (15) depois de ser atingida por uma facada na perna esquerda, que perfurou a veia femoral, desferida pelo companheiro Adriano Vieira da Silva, de 36 anos, na rua e beco Dr. Vicente Reis, no bairro da Betânia, Zona Sul de Manaus. De acordo com vizinhos, o casal era acostumado a beber e depois brigar por causa dos ciúmes do suspeito, que não aceitava ser traído pela mulher.

Segundo o cunhado da vítima, que preferiu não se identificar, Gilza e Adriano passaram o dia bebendo com a irmã da vítima na casa onde moravam. Por volta das 21h, Adriano começou uma discussão após sentir ciúmes da autônoma com um vizinho e a agrediu com tapas.

“Ela levantou e foi para cima dele. O Adriano pegou a faca e deu um golpe na perna dela, mas acredito que ele não queria matá-la. Eles sempre brigavam, porque ele era muito ciumento e não deixava ela ficar conversando com os vizinhos”, declarou.

Ainda segundo o cunhado, depois de perceber que a Gilza perdia muito sangue, ele a carregou pelo beco e tentou salvá-la, porém ela não resistiu e morreu antes da chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

De acordo com o laudo de necropsia expedido pelo Instituto Médico Legal (IML), Gilza morreu após ter uma hemorragia aguda proveniente do corte na perna que atingiu a veia femoral. A autônoma era casada com o suspeito há mais de vinte anos e tinha duas filhas.

Adriano foi preso em casa por policiais militares da 7ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e não reagiu a detenção. Ele foi levado para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e responderá por homicídio culposo. Adriano foi encaminhado na tarde desta segunda-feira (16) para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro.