Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Obras de recuperação da estrutura de captação do Proama iniciam nesta quinta-feira (3)

O reparo na estrutura de captação do Proama inicia com a retirada da adutora de água bruta de aço (de 1.800 mm de diâmetro) para permitir a demolição das vigas e parte do tabuleiro da estrutura


Balsa bate em ponte da Proama e afeta abastecimento de água em Manaus

Acidente atualmente afeta 47 comunidades, o que corresponde a 220 mil pessoas (Divulgação)

A Companhia de Saneamento do Amazonas (Cosama), operadora do complexo do Programa Água para Manaus (Proama), inicia na próxima quinta-feira (3) os trabalhos de reparos na estrutura do complexo, comprometida após uma balsa se chocar com vigas de sustentação, segundo o governador José Melo.

“Nós conseguimos já concluir o estudo técnico sobre a questão. Vamos fazer duas grandes torres metálicas ancoradas lá embaixo, e essas torres vão segurar aquela tubulação para poder religar aquelas bombas. Enquanto isso, as medidas emergenciais, como o trabalho do religamento dos poços que já existiam, a questão dos carros-pipa e a plenitude do funcionamento da Ponta do Ismael, continuam em pleno andamento”, diz o governador.

O reparo na estrutura de captação do Proama inicia com a retirada da adutora de água bruta de aço (de 1.800 mm de diâmetro) para permitir a demolição das vigas e parte do tabuleiro da estrutura, que foram afetados no acidente. Paralelamente, a Cosama vai providenciar a contratação da empresa que vai produzir as vigas metálicas de suporte da adutora e nova estrutura de fechamento do vão. O vigamento metálico será feito sob medida para dar suporte à tubulação de captação de água. Sob a tubulação também serão colocados berços flexíveis para suportar a trepidação dos tubos.

José Melo também ressaltou que determinou aos técnicos que a nova estrutura de sustentação seja reforçada. “As defensas (proteção das vigas do complexo) existem, elas estavam lá. No entanto, era uma balsa carregada de areia, com peso enorme e que entrou em plena velocidade. Portanto, se tivesse colocado lá o triplo de defensas não teria sido suficiente para conter um impacto tão grande. Agora, no novo projeto, eu pedi para que eles estudassem uma maneira de reforçar isso aí para que, em acontecendo lá na frente um novo acidente, os prejuízos possam ser menores”.

Medidas emergenciais

Enquanto os reparos na estrutura do Proama são providenciados, a Manaus Ambiental, responsável pelo abastecimento de água na capital, em parceria com o Governo do Estado, Prefeitura de Manaus e Exército Brasileiro, continuará com a distribuição de água através de caminhões-pipa, de forma gratuita. São 25 veículos destinados a reforçar o abastecimento nas áreas mais críticas.

Além dos caminhões-pipa, a Manaus Ambiental informou que realizou manobras nas Estações de Tratamento do complexo de produção de água da Ponta do Ismael, na Compensa, zona oeste, para ampliação do atendimento das zonas cobertas pelo Proama, aumentando a vazão em mais de 500 litros d´água por segundo, em cada Estação de Tratamento. Também foram reativados 18 poços artesianos, de um total de 29 que voltarão a ser interligados pela Manaus Ambiental.

O acidente

O acidente, que ocorreu por volta das 13h30 do último dia 24 de junho, consistiu na colisão de uma balsa contra um dos pilares de sustentação e parte da viga que sustentava tubos que saíam da Estação de Tratamento de Água (ETA) Ponta das Lajes, localizada no Distrito Industrial II, fazendo com que eles desmoronassem.

Na ocasião, a balsa teria apresentado problemas na parte mecânica e ficou à deriva no rio. O condutor da embarcação, o rebocador Antônio Soares, não conseguiu impedir o choque com a estrutura de 180 de diâmetro, que funcionava desde março deste ano.

A adutora de água bruta recolhe água diretamente do Rio Negro para ser tratada e distribuída aos habitantes de parte da Zona Norte e da Zona Leste de Manaus. Segundo a empresa Manaus Ambiental, responsável pela distribuição, o acidente afeta o fornecimento de água a 47 comunidades, o que corresponde a mais de 220 mil pessoas.