Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Policiais Militares prenderam ‘Baratinha’, acusado de crimes como homicídio e roubo

O suspeito possui uma vasta lista de antecedentes criminais e responde a pelo menos dois homicídios, roubo, furto e outros crimes

Márcio Soares de Oliveira, 37 anos, conhecido como “Baratinha”, estava foragido do Compaj

Márcio Soares de Oliveira, 37 anos, conhecido como “Baratinha”, estava foragido do Compaj (Divulgação)

Márcio Soares de Oliveira, 37 anos, conhecido como “Baratinha”, foi preso por volta das 20h desta quinta-feira (20), quando andava pela avenida Beira Mar, bairro Coroado, Zona Leste. Ele está foragido do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) desde o dia 21 de agosto 2013, onde cumpria pena em regime semiaberto. 

A prisão foi realizada por policiais militares da 11ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) sob o comando do tenente Paulo Furtado que faziam um patrulhamento de rotina na avenida.

Ao ser abordado e questionado se respondia a algum crime, “Baratinha”, negou e disse que já havia cumprido o que devia a Justiça. Os PMs levaram o suspeito até o 9º Distrito Integrado de Polícia (DIP), localizado no bairro São José,

Histórico

Na página de consultas de processos do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) é possível constatar a vasta lista de antecedentes criminais que “Baratinha” responde. Na 2ª Vara do Tribunal do Juri ele responde a dois processos por homicídio simples, um realizado em 2000, que já foi julgado, e outro em 2003. Na 5ª Vara Criminal ele responde a dois inquéritos policiais por roubo, um furto na 8ª Vara Criminal.

Em agosto de 2007, ele cometeu uma violência familiar, agredindo uma mulher de iniciais M.S.A. Além de crimes como ameaça e tráfico de drogas.

Ameaças aos PMs

Ao ser abordado pela guarnição da PM, “Baratinha” tentou intimidar os policiais com ameaças. Dizendo que já respondia por vários homicídios, que um a mais ou um a menos não fazia diferença para ele.

Após os procedimentos normais “Baratinha” foi reconduzido ao Compaj, para continuar a cumprir as penas determinadas pela Justiça e por não ter retornado da saída temporária, ele regrediu do regime semiaberto, conforme determinação da direção do complexo penitenciário.