Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Prefeitura reinaugura o T3, na Cidade Nova, neste sábado (8)

Reforma agradou usuários, mas segundo eles faltou investir na informação dos itinerários seguidos pelas linhas de ônibus

Operários davam os últimos retoques na obra na sexta (7)

Operários davam os últimos retoques na obra na sexta (7) (Márcio Silva)

Depois de pelo menos seis meses de reforma, o Terminal de Integração 3 (T3), na Cidade Nova, Zona Norte, será reinaugurado neste sábado (8) pela prefeitura. Mas, ao mesmo tempo que a obra rende elogios, sobram reclamações dos usuários, principalmente, sobre a dificuldade de acesso aos itinerários dos ônibus.

A obra, de responsabilidade da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), contemplou a reforma das três plataformas de passageiros, instalação de nova iluminação, recapeamento total das vias internas, pintura geral de todo o espaço físico, reestruturação do mezanino, e também a reforma dos banheiros públicos.

A reforma do (T3) juntamente com a do T5 custou pouco mais de R$ 4 milhões. Valor, que para os usuários deveria também ser investido na melhoria no acesso aos itinerários dos ônibus. Para a estudante Jaqueline Moreira, 20, a reforma ajudou somente a melhorar, visualmente, o terminal.

“Toda hora você vê gente com dificuldade de saber qual o ônibus pegar para ir a algum lugar. As placas indicam somente que o ônibus para ali e para qual bairro ele vai, não informa por onde o ônibus vai”, disse a estudante, que usa diariamente o terminal de integração.

A empregada doméstica Maria Auxiliadora Sampaio, 35, também relata que começou a trabalhar recentemente no Nova Cidade e, no início, sentiu dificuldades em saber quais as opções de ônibus para voltar para casa. “O jeito foi fazer como todos que passam por aqui fazem, perguntar dos ambulantes e dos outros passageiros”, falou.

Na opinião dos usuários, a reforma ainda deveria ter contemplado a organização no embarque nos ônibus e pôr fim ao empurra-empurra. A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição.