Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Semc e Defesa Civil discutem estratégias para enfrentar cheia no Centro de Manaus

Pelo menos 12 bairros devem ser atingidos e cota máxima está avaliada em 29,49 metros. Secretário da Semc, Glauco Francesco, afirma que cheia pode servir de atrativo para turistas

Reunião ocorreu na manhã desta terça-feira (14) entre representantes da Semc, Defesa Civil e coordenação do Pró-Manaus

Reunião ocorreu na manhã desta terça-feira (14) entre representantes da Semc, Defesa Civil e coordenação do Pró-Manaus (Divulgação)

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (15), a Defesa Civil do município, a Secretaria Municipal do Centro (Semc) e a coordenação do Pró-Manaus discutiram sobre as estratégias que vão ser adotadas para o Centro da cidade caso a cheia do rio Negro ultrapasse a cota de emergência. A cheia, segundo a Semc, pode virar atrativo para os turistas durante o período da Copa do Mundo.

Segundo o Serviço Geológico do Brasil - CPRM, a previsão da cota máxima para 2014 é de 29,49 metros, mas o diretor operacional da Defesa Civil do Município, Cláudio Belém, estima que este ano a cheia não ultrapasse os 29,20 metros. De acordo com a Defesa Civil, pelo menos 12 bairros de Manaus devem ser atingidos pela cheia do rio Negro este ano.

No Centro, as ruas que podem ser afetadas pela cheia são: Barão de São Domingos, rua dos Barés, avenida Eduardo Ribeiro, rua Floriano Peixoto (área próxima à Alfândega), rua Guilherme Moreira e rua dos Andradas.

A Defesa Civil está monitorando diariamente a subida das águas e afirma que todas as providências serão tomadas no sentido de que comerciantes e moradores do Centro, assim como a população em geral, não tenham grandes prejuízos com a subida do rio Negro.

“Estamos preocupados com os acessos que podem alagar com a cheia de 2014 e já estamos atuando nessas áreas vulneráveis no sentido de iniciar a construção de pontes, a fim de não prejudicar a população”, afirmou Cláudio Belém.

Atração turística

Para o secretário do Centro, Glauco Francesco, a cheia pode virar atrativo para os turistas, principalmente porque o auge da subida das águas será no mês de junho, período em que acontecem quatro jogos da Copa do Mundo em Manaus e mês em que a cidade vai receber um grande número de visitantes.

O objetivo, agora, é atrair o maior número possível de secretarias parceiras, para proporcionar ao turista toda a infraestrutura necessária, de segurança, principalmente, para quem vai visitar o Centro da cidade, caso o Rio Negro atinja a cota de emergência, que começa a contar a partir dos 29 metros. 

Tanto em ruas que podem ser inundadas, quanto no Mercado Municipal Adolpho Lisboa, que possivelmente também será afetado, o secretário afirma que o papel da Semc, nesse momento, é de articulação.

“Vamos conversar com a Secretaria de Governo e demais secretarias da prefeitura, a fim de que tenhamos o maior número de parceiros envolvidos e que possamos trabalhar em processo de cooperação, a fim de tornarmos a cheia um evento com menos prejuízos e, na medida do possível, que ela seja atrativa para o turista. Estamos nos colocando à disposição da Defesa Civil e vamos realizar um trabalho baseado nos alertas do Serviço Geológico do Brasil”, enfatizou Francesco. 

O segundo alerta de cheia para 2014 será emitido no dia 30 de abril. Em 2012, o rio Negro registrou a marca histórica de 29,78 metros. Um centímetro a mais que a segunda maior cheia, a de 2009.

*Com informações da assessoria