Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Sinalização no bairro Praça 14 é ignorada por motoristas

Mudanças no tráfego das ruas Apurinã e Afonso Pena já tem dois meses, mas condutores insistem em fazer manobras proibidas e colocam em risco também os pedestres

Apesar da placa de trânsito indicar que o retorno e a conversão à esquerda são proibidos, motoristas ignoram a sinalização e realizam manobra irregular

Apesar da placa de trânsito indicar que o retorno e a conversão à esquerda são proibidos, motoristas ignoram a sinalização e realizam manobra irregular (Euzivaldo Queiroz)

A irresponsabilidade e a falta de atenção dos motoristas que circulam nas ruas Afonso Pena e Apurinã, no bairro Praça 14, Zona Sul, continuam promovendo um verdadeiro “festival” de desrespeito às leis de trânsito.

A sinalização nas vias foi alterada pela prefeitura no mês de setembro, mas mais de dois meses depois, os condutores parecem ainda não terem se acostumado às mudanças, ou decidido respeitá-las.

A alteração realizada pelo Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) nas duas vias, que antes tinham tráfego em mão dupla, teve como objetivo melhorar a circulação dos veículos e reduzir a retenção no trânsito, porém, segundo os moradores das duas ruas, pouca coisa mudou desde então.

Apesar das placas instaladas nas ruas pelo Manaustrans, indicando que a Apurinã passou a fluir apenas no sentido Boulevard Álvaro Maia, seguindo para a avenida Waldemar Pedrosa, e que a rua Afonso Pena passou a fluir somente no sentido da avenida Ayrão, em direção à Boulevard Álvaro Maia, os motoristas continuam sendo imprudentes e ignorando as mudanças.

Durante o tempo em que a reportagem esteve no local, vários condutores fizeram retorno proibido na avenida Boulevard, sentido Apurinã, mesmo alertados da irregularidade pela sinalização.

Leia mais na edição impressa do jornal A Crítica desta quarta-feira (18)